Você merece ser muito amada. E nada menos do que muito amada

Donde no puedas amar no te demores

Já dizia minha amiga Frida sempre antenada nos desgraçamento de cabeça por causa de relacionamento. Também pudera, afinal a mulher se relacionou por longos e sofridos anos com nada mais nada menos que Diego Rivera, o precursor do famoso “macho sendo escroto com mulheres maravilhosas”.

É difícil demais ver tanta mulher incrível sofrendo por causa de homem-migalha. Tenho certeza que você está familiarizada com esse tipo, mas para fins didáticos vamos conceituar:

Homem-migalha. s.c.m: Aquele que tá lá, mas não tá, é meio indiferente (aliás, ele é meio mt coisa), não tem certeza dos sentimentos, não demonstra, não sabe, não sente, não fode (mas geralmente não sai de cima também).

E você. Você é o oposto. Mulherão da porra, trabalha, estuda, lê, faz yoga, anda de bike, ama viajar, rebola a raba com as amigas, é cheia de referências, tá sempre aprendendo algo novo, espiritualizada, é engraçada, sexy, tem uma beleza incrível, é en can ta do ra. Não demorou pra que o boy ficasse arriado por ti né?

A história é sempre a mesma. Acompanha aqui. Vocês se conhecem, pessoalmente ou por alguma rede. E logo ficam e logo transam. Foi massa, química da porra (por mais que você não tenha gozado de primeira, tu pensa “haverão outras oportunidades”) “será que devo esperar isso mesmo?” Segue o baile. E realmente haverão; ele está animado com a possibilidade de conhecer uma mulher tão foda e transar com ela de novo (por mais que ele tenha gozado relativamente rápido ele pensa “haverão outras oportunidades”). Os dias dele tem sido muito solitários e isso deu uma agitada na vida e nos hormônios. E você? Você ainda não tá tão interessada, o cara é legal mas nada demais. Mas assim, não vamo dispensar a chance de transar e também, vá lá, tá sendo massa receber essa atenção. E assim se sucede. Vocês se encontram mais 1,2,3 vezes e passa final de semana junto, viaja pra praia no feriado, vocês se falam todo dia, ansiedade pra se ver, e a transa cada vez mais massa, vocês se encaixam, fica cada dia mais excitante conhecer os jeitos do outro e assim as coisas vão por alguns meses, não dá pra mensurar por quantos vai durar a paixão. Aquele cara que não era tão legal assim passa a ser o centro dos seus pensamentos: ele é muito legal sim, acima da média, cozinha, gosta de gatos, faz musica/ou desenha/ou pinta/, é carinhoso. Caramba, você tá muito feliz. Você era feliz sozinha, mas agora você tá muito melhor, bem amada, comendo bem, sorriso no rosto, pele bonita, tudo certo, nada errado.

Aí um dia o seu boy fica estranho. Ele não sabe o porquê. Ele precisa de uns dias sozinho, talvez vocês estejam juntos tempo demais. Você nem queria ficar junto tanto assim, mas ele parecia tão apaixonado no início que você não tinha pra que dizer “não” aos convites dele, afinal você é uma mulher intensa, sabe que a vida é curta e não tem pra que deixar as oportunidades passarem. Eita, mas ele não. Ele que era tão interessado de repente percebeu que exagerou um pouco e parou de sair pra tomar gela com os amigos na sexta. Ele quis paquerar uma gatinha, mas percebeu que não rolava porque você estava lá né, agora você fazia parte da vida dele. Aí ele entrou em crise. “Sabe como é, minha cabeça é muito dificil de entender”. Um tempo. Um tempo pode ser bom pra nós botarmos a cabeça no lugar. Não funciona, vocês são muito apaixonados e não aguentaram ficar muito tempo longe. Ele volta, mas não do mesmo jeito. Nesse meio tempo você que era muito segura de si já criou algumas paranóias a respeito da mudança repentina dele. Stalkeia instagram “quem é essa menina q curtiu isso aqui”. Stalkeia facebook. Stalkeia, stalkeia, horas a fio com afinco a fim de encontrar algo de errado que comprove a sua paranóia.

É nessa fase que você começa a se questionar “Mas eu, uma mulher evoluída, segura de mim, que defendo a liberdade to sendo possuída pelo demonio do ciume e da insegurança??” E você se culpa. Você não devia estar sentindo aquilo. Por mais que as atitudes dele não te passem nenhuma segurança você se culpa achando que tua auto estima nao é suficiente pra te manter bem. Posso te contar uma coisa? Esse relacionamento vai te fazer mais mal ainda. Ele, cada vez mais estranho, cada vez mais distante, cada vez mais novos problemas surgem, mas ele vai melhorar, calma, vdc. Tu já liga pra psicóloga, melhor voltar pra terapia, essa insegurança vai te matar né. Tu já não dorme, ele já não te liga, as coisas vão de mal a pior … mas será … caramba, ele era tão apaixonado. O QUE QUE EU FIZ DE ERRADO?

Miga, nessa hora, depois de já ter chorado horrores e percebido o quanto esse relacionamento todo tá sendo um grande embuste pra sua saúde mental eu só tenho uma coisa pra te falar: TERMINA! Não pensa muito, vai na casa dele, desabafa tudo, chora, mas termina essa desgraça. Sua saúde mental vale MUITO MAIS do que qualquer pessoa. A gente tem mania de querer consertar esses macho, mas não vai adiantar, o máximo que vai acontecer é você acabar na terapia por causa de alguém que precisa de terapia (sou super a favor da terapia, e não só qnd você está na pior). Nos segundos seguintes você vai sentir um grande alívio na tua barriga (que há dias tinha um negocio preso, não entrava nem vento) que será seguido de uma grande rajada de choro.. E deixa, deixa essas lágrimas cairem, por dias e dias e dias. Você vai precisar muito das tuas amigas, faça qualquer coisa nesses próximos dias, só não fique em casa. No início vai ser horrivel, você vai ter que matar um leão por dia, vai bater a ausencia, a incerteza dos motivos pelos quais você terminou, mas acredite: vai passar. Você merece ser muito amada. E nada menos do que muito amada. Eu tô cansada de ver as mulheres mais incríveis que eu conheço cheias de ansiedade, depressão, enfiadas dentro de casa, escondendo sua beleza do mundo por causa de homens que não sabem amar. Chega! Levanta essa tua cabeça, mana, você fez a coisa certa.

Aos homens-migalha (eu gostaria de mandar um sincero “homens oq tenho haver”) mas na verdade eu me darei ao trabalho de dizer: parem de ser cagões. Tenham um pouco de verdade dentro dessas calças. Ser vazio assim deve cansar num é não? Como é que vocês tem a pachorra de magoar essas mulheres que tiraram um tempo da existência maravilhosa delas pra dar um pouco de amor na vida solitária de vocês??? Chega, caras. Vão pra uma terapia, já passou da hora de vocês tentarem entender o que se passa nessas cabeças de vento. Façam alguma coisa porque tá grave essa distribuição de migalhas.

Mulheres, vocês são foda. Eu sei que tá dificil, mas a tua amiga do lado já passou pelo mesmo. Vão tomar uma gela juntas, nem tudo está perdido. Jajá você se encontra novamente. Concentre-se no seu amor. Ops. Não pensa nele não. To falando do SEU amor, o amor próprio. Essa é talvez a primeira e única forma de amor recíproco. Apegue-se a isso e vá viver! Da próxima vez que tu sentires um mínimo de sinal de que a tua saúde mental está sendo prejudicada por gente vazia, corra, corra o quanto puderes. Não demore onde não puderes amar, é o conselho que eu te dou hoje.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.