“ Sentia falta me divertir escrevendo, de algo despretensioso”.
Taís Bravo
1

Oi, Taís, conheço e assino a newsletter das Mulheres que Escrevem, acho bem legal como o projeto apresenta pessoas tão diferentes, suas abordagens e relações com a escrita.

Tem uma biografia da Virginia Woolf que diz que ela mantinha dois projetos de livros simultâneos e escrevia no diário, assim podia exercitar diferentes relações com a escrita. Era uma estratégia para evitar bloqueios e não ficar sofrendo com um texto só, achei bem curioso.

Escrever é parte do meu trabalho, então esse aspecto da diversão é importante para organizar a cabeça, me pressionar menos e fugir um pouco dessa dinâmica de textões, opiniões e problematizações. A ideia é que o tempo das cartas seja outro. Tenho a impressão de que ultimamente tudo é debatido e analisado muito rápido e logo vem outra pauta e somos meio “atropeladas” por tanta informação, e isso acaba tirando a energia que teríamos para “as coisinhas” que são importantes.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.