Pois é Agosto…

Foto: Alair Ribeiro

Tá chegando sua hora hein,

Daqui a precisamente três dias você me deixa,

Me deixa uma leva de emoções,

Me deixa uma leva de aprendizado,

Me deixa em uma nova fase,

Me deixa longe de pessoas e momentos,

Me deixa com lembranças, sabores, sensações que talvez eu demore a experimentar novamente,

Me deixa com a certeza de que eu acertei, entreguei, errei e por mais que eu não goste de admitir, fracassei,

Será mesmo que eu fracassei? Será mesmo que a decisão que eu tomei foi um fracasso?

Mas esse fracasso tem um sabor diferente dos outros sabe, ele tem resquícios de uma luta, luta da qual eu fiz parte, onde eu lutei, venci, cai, venci e quando me vi sem saída, o único jeito foi me render e reconhecer,

Reconhecer que tudo muda,

Reconhecer que as coisas começaram a mudar e mudar drasticamente,

Reconhecer que ainda não tô pronto o suficiente, mas cá pra nós, quem está não é mesmo? Ninguém está e sinceramente talvez nunca estejamos.

Reconhecer que eu não quis ganhar pontos, medalhas, estátuas, honra ao mérito ou mesmo fingir o que eu nunca fui,

Naveguei por águas tranquilas antes de te conhecer mas você chegou trazendo tormentas e não seria tão gentil como fora outras épocas comigo,

Foi difícil navegar nas suas águas,

Foi difícil acreditar que haveria uma trégua nessa tormenta que tu me trouxestes,

Mas especificamente hoje, enquanto arruma suas malas para ir, os seus ventos me sopraram para águas tranquilas nestas últimas semanas,

Águas estas que tal como a foto que ilustra esse meu texto desordenado de ideias e sentimentos,

Ah e antes que eu me esqueça, você lembra da foto né? Como esquecer não é mesmo,

Espero que até a chegada da sua nova versão no calendário que se aproxima, a gente possa se reencontrar e ver qual será a surpresa que você me reserva,

E espero que você me traga boas novas e leve consigo essa encomenda que me trouxe e a deixe a repousar no fundo do mar.

E tenho que admitir Agosto, você me trouxe mais experiência para a minha bagagem e para a minha caminhada,

E caso eu pegue outra tormenta no caminho, vou me lembrar dos seus conselhos,

Nesses últimos dias que lhe restam de estadia eu talvez não tenha muito tempo para lhe escrever por isso já o faço agora,

Sem ressentimentos pelo que passou ok?

Cuide-se e até breve velho amigo.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Alair Ribeiro’s story.