Crônicas do tempo

Era tempo que ela precisava, talvez uma válvula de escape para fugir de um passado que ainda a atormenta, que ainda a machuca toda vez que ela vê as chances de recomeçar um novo caminho.

Bastou um encontro, boas risadas, similaridades no cotidiano, algumas dúzias de sorrisos e olhares e aquela noite foi perfeita para ambos,

Começou ali a possibilidade de uma nova história, mas na verdade algo ainda assombra ela, o texto veio carregado de objetivos que ela se comprometeria dali em diante, nesses objetivos não figuravam os dois,

Ainda que ele procurasse se conter e ser cirúrgico nas palavras para evitar deslizes, infelizmente não deu.

Estamos em tempos diferentes disse ela, o mesmo tempo que ele vivia pregando voltou-se contra ele o mesmo tempo que ele sempre fazia questão de enaltecer quando lhe questionavam sobre as coisas do coração, agora aplicado em doses homeopáticas.

Ele esperou, e retribuiu o carinho e admiração ainda que precoces de forma que não interferisse no livre arbítrio dela, ele foi pontual e talvez até maduro em suas colocações,

Até porque outrora ele esteve em situação similar a que ela se encontrava neste momento, após responder, nada mais foi dito entre ambos, a conversa foi arquivada talvez para sempre e aquela noite tornou se passado na memória de ambos.

Hoje ele se questiona sobre quando os ventos soprarão a seu favor para que ele possa lançar seu barco nessas águas desconhecidas do amor.