Meu amor

Meu amor

É pequenina

Mas, de algum modo, carrega os maiores olhos do mundo

Que quando te olham

Parecem despir sua alma

Enquanto te hipnotizam

Com a beleza de seu brilho

Que não tem igual em nenhum plano

Que nenhuma joia consegue imitar

Meu amor

O próprio Gato de Cheshire

Com seu sorriso risonho e encantador

Todas as noites

Quando está escuro demais para se ver

Penso naqueles olhos

Naquele sorriso

E ele surge, iluminando tudo

Sussurrando coisas doces em meu ouvido

Meu amor

Ela é a mais bela criação de Deus

A mais pura poesia esquecida de um arcanjo

Quando anda delicadamente

E dá seu riso doce

A vida ganha um sentido confortável

Que nunca havia experimentado

Se você me perguntasse o sentido da vida

A resposta; olhar o sol nascer sob o rosto dela

Meu amor

Ela não acredita em eu te amo com palavras

Ela acha romantismo tolo e um atraso

Mas sempre me olha com um jeito doce e delicado

Que parecia guardar para alguém especial

E nesse momento, bem, eu me sinto especial

Por mais que as vezes seja cego, burro

E escolha ficar triste

Não consigo ficar muito tempo

Ela sempre me resgata e me arranca um sorriso

Meu amor

Ela é delicada e feroz como um gato

Ela lhe arranca pedaços em mordidas

Lhe cura ferimentos com carinho

Te guia com a mão de ferro de uma professora

Que não te guia pela mão

Mas te mostra o caminho

Ela arranca o melhor de mim

Enquanto expulsa o mal para longe

Meu amor

Eu queria ela pudesse se ver

Com os mesmos olhos que a vejo

Odeio vê-la triste

Pois me arranha igualmente o peito

Por mais que as vezes a deixe triste

Pelo meu jeito bobo e infantil

Mas não logo tarda e estamos rindo

Pois a felicidade nos é estranha, mas vive entre nós

Meu amor

Não tem um dia que não tente

Escrever algo para ti

Que lhe grude na cabeça

Que lhe aqueça o coração

Que seja tão belo quanto sua existência

Mas, como posso eu, mero mortal,

Querer recriar algo que só Deus pode moldar?

Eu te amo e isso nada nunca vai mudar