Noite XXVIII

Minha meta é jamais morrer 
A luz é uma exceção da escuridão 
Já parou para pensar nisso? 
Uma vez na quinta série a professora 
Pediu que eu soletrasse exceção 
Eu errei, até hoje odeio essa palavra 
Obrigado Celi por isso
Vai tomar no cu
Será que você já morreu? 
Ou continua dando aula naquela bosta 
Tanto faz, já passei por isso
Tenho umas histórias boas na cabeça 
(ou acho que são) 
Mas sempre que escrevo 
Parece um imbecil falando 
Quando elas crescem demais 
Sempre sei lá perdem o ritmo 
Sei lá se nasci pra isso
Sei lá se nasci para algo 
Esse dias uma barata subiu em mim 
Na minha perna 
Foi terrível 
Pensei em Kafka 
Depois de pensar em Kafka pensei 
"Será que já virei pedante?"
Depois pensei que tentava demais 
Ser gente que já morreu
Sempre quis ser São Longuinho 
O homem que vai ser o último a morrer 
O importante não é ser o primeiro 
Mas o último 
O primeiro sempre é superado 
O último sempre é lembrado 
Vida longa a Michael Jordan 
23
Não acredito que você 
Autorizou uma homenagem 
Com aquela música merda 
Pelo menos o Kobe 
Teve uma despedida com kendrick 
Nisso ele te superou acho 
Queria ter sua raiva 
Mas sempre quando falo fico nervoso 
Sou deslocado demais 
Em algum ponto da curva eu derrapei 
E fiquei demente assim 
Eu jamais vou morrer 
Até porque quando eu morrer 
Nem vou perceber
Queria saber falar de outra coisa 
Só falo de amor e morte, morte e amor 
Eventualmente de pessoas trepando
Outras vezes de raiva 
Mas nunca foge disso 
Mas a vida adulta é feita disso
Não tem emoção nenhuma 
Você só troca passar raiva com nota 
Pra passar raiva com a merda 
Da empresa que nunca deposita 
Vale transporte no dia certo
E quantos meses falta pra pagar 
A televisão bonita que você quer comprar
Nada demais 
Você não vai transar todos os dias 
Morar sozinho dá um vazio 
Domingo três e vinte e sete da tarde 
Que é terrível 
Um amigo meu uma vez ligou 
Pro disque suicídio 
Só pra ter com quem conversa 
Outro chamou uma prostituta
Pra dividir uma pizza com ele
Eu deveria rever minhas amizades? 
Talvez 
Eu só queria ter sido um soldado 
Da cruzada 
Com uma espada gigante 
Matando infiéis e hereges 
Sentindo que estava tornando 
O mundo melhor 
Abençoado por Deus 
Mas tô aqui deitado 
Com dor de cabeça 
Escrevendo poema 
E nada parece certo
Eu odeio o pedantismo 
Existencialista 
Que assola essa geração 
Que se deu conta que o mundo 
É uma merda, que a morte é inevitável 
Que você nasce e morre pequeno 
Mas ele é intrínseco em mim 
E isso é uma merda 
Queria conviver com isso tranquilamente 
Deus perdoe essas pessoas ruins 
Não olhe para trás com amor 
Eu ouvi ela dizer 
Ou algo assim 
Tanto faz 
Foda-se 
Vai tomar no cu 
Hoje em dia eu sei soletrar exceção 
E X C E S S Ã O

Merda.

Allan.