22 Leis Consagradas da Marca, segundo Ries e Jack Trout.

  1. Lei da Expansão: O poder de uma marca é inversamente proporcional ao seu escopo. O que é um Chevrolet? Um carro barato, caro, grande, pequeno. Resumindo: Foque em uma proposição de valor específica que sua marca terá mais valor.
  2. Lei da Contração: Uma marca se fortalece quando seu foco é mais nítido. A Starbuck’s serve somente café.
  3. Leia da Publicidade: As marcas são criadas com publicidade, não com propaganda. Sem a propaganda a Body Shop tornou-se uma marca poderosa a nível mundial.
  4. Lei da Propaganda: Uma vez criada, uma marca morrerá se não for mantida viva pela propaganda. A propaganda “Nunmber 1 in Tires” mantém a Goodyer como a número 1 em pneus.
  5. Lei da Palavra: Uma marca deve possuir um nome na mente do consumidor. Nos EUA “Fedex isto”, significa “envie isto“. “Photoshopar” significa embelezar. E assim por diante. O que a sua marca faz?
  6. Lei das Credenciais: O ingrediente essencial para o sucesso de uma marca é o seu apelo a originalidade. A Coca-Cola é uma marca poderosa porque é “the real thing”.
  7. Lei da Qualidade: A qualidade é importante mas as marcas não se desenvolvem somente com base na qualidade. Um Rolex marca melhor as horas? Provavelmente sim, mas isso importa? Provavelmente não.
  8. Lei da Categoria: Uma marca líder deve promover a categoria, não a marca. Gillette é uma marca que vende “giletes” de alta qualidade por preços acessíveis.
  9. Lei do Nome: No final das contas a marca nada mais é do que um nome. A principal diferença de uma copiadora Xerox é o nome Xerox em si.
  10. Lei das Extensões: A maneira mais simples de se destruir uma marca é usar o seu nome para praticamente tudo. O que é Mitsubishi? As extensões das linhas de produtos matam a Mitsubishi.
  11. Lei da Camaradagem: Para desenvolver a categoria, uma marca deve receber bem uma outra marca. O melhor lugar para um Planet Holywood é ao lado de um Hard Rock Café.
  12. Lei do Genérico: Um dos caminhos mais rápidos para o fracasso é dar um nome genérico à marca. BlockBuster é uma boa marca, nomes genéricos não são.
  13. Lei da Empresa: Marcas são marcas, empresas são empresas, e existe uma grande diferença. A pasta de dente Colgate precisa do nome P&G na caixa? Não. As marcas devem ter seu próprio espaço.
  14. Lei das Submarcas: O que é construído pelo desenvolvimento de uma marca pode ser destruído pelo desenvolvimento de submarcas. Express, Select, SumSpree e Garden Court corroem, nos EUA, o poder da marca Holiday Inn.
  15. Lei dos Irmãos: Há um momento certo e um lugar certo para se lançar uma segunda marca. Quando a Honda lançou um automóvel caro, não o chamou de “’Honda Ultra”, chamou-o de Acura.
  16. Lei da Forma: O logotipo de uma marca deve ser de fácil reconhecimento, e agradável ao olhar. O logo Nike é horizontal na medida certa.
  17. Lei da Cor: Uma marca deve usar uma cor oposta a cor de seu principal concorrente. O azul único nas caixas da Tiffany’s ajuda a imprimir a marca na mente dos consumidores
  18. Lei das Fronteiras: Não existem fronteiras para as marcas mundiais. A Heinekem é vendida em 170 países. Todas as marcas deveriam ser mundiais.
  19. Lei da Consistência: Uma marca não se cria do dia para a noite. O sucesso é medido em décadas, não em anos. A BMW tem sido a “máquina de dirigir” há 25 anos.
  20. Lei da Mudança: As marcas podem ser mudadas mas com pouca freqüência e com muito cuidado. Vinte anos atras o Citibank era um banco de investimentos, hoje é um banco de varejo.
  21. Lei da Mortalidade: Nenhuma marca viverá para sempre. Muitas vezes a eutanásia é a melhor solução. A Kodak é uma marca fotográfica que não terá a mesma eficácia na era digital
  22. Lei da Singularidade: O aspecto mais importante de uma marca é a sua singularidade. Ao se concentrar na segurança, a Volvo se tornou o carro luxuoso europeu mais vendido nos EUA
A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.