Os Segredos do Caos — Gravidade

Um sonho meu de criança era ser cientista, não é aleatório que eu tenha escolhido falar sobre “Os Segredos do Caos”. “A Teoria do Caos” que eu pouco entendo me levou a querer brincar com o nome, e há um pouco de ciência de fundo.

Eu fiz meu técnico em química junto com o ensino médio, e fui imensamente feliz por isso, mesmo não tendo atuado na área, há um sentimento em mim que é o seguinte:

“Suelen Romancini, garota, você tentou”

Não é que eu tenha desistido, a vida tomou outros rumos, fui agraciada em ter contato com grandes cientistas nesta minha trajetória que enquanto escrevo, ainda estão em seus 28 anos terrestres, então eu só tenho que agradecer.

Um dia eu estava conversando com um físico, e pedi à ele uma recomendação de livro, gostaria de aprender mais sobre física. Ele me recomendou “O Universo Elegante” de Brian Greene, eu levei um ano para ler o livro, sou bem lenta nas minhas leituras, mas eu mergulhava em delírios tão meus naquelas páginas a medida que compreendia melhor aquela tentativa toda de uma teoria final de como o Universo funcionava.

Foi lendo O Universo Elegante que descobri que o Universo inteiro é formado por 4 forças, chega a ser meio absurdo que 4 é o número das forças que regem tudo isso, mas se essas pessoas todas estudas dizem que são e dedicam vidas inteiras para isso quem sou eu sou para sair questionando sem teorias tão bem embasadas para confronta-los. Mas vamos as 4 grandes forças universais, são elas:

  • A força gravitacional: sim, a famosa gravidade! temos Newton que começou a escrever sobre ela no que os físicos chamam de lei clássica e após bons anos resurge Einsten com a sua teoria Geral da Relatividade (fugia das aulas de educação física para tentar entender esta teoria sozinha, eu era um desastre nas aulas de educação física, logo a biblioteca era mais atrativa). Para esta força temos o “graviton” como mediador.
  • A força eletromagnética: o mediador desta força é o “fóton”, uma curiosidade interessante e bonita é que a luz é formada por um monte de fótons. Essa força trata das relações elétricas e magnéticas da matéria.
  • A força forte: um dia também foi conhecida como força nuclear, e isso já indica muito ao que ela se refere. É a força responsável pelas interações que ocorrem no núcleo atômico. “Glúon” é o mediador desta força, Brian Greene sempre muito didático incluiu a seguinte curiosidade sobre o termo glúon, explicando que ele deriva de glue, a palavra inglesa
    para “cola”: você pode imaginar o glúon como o componente microscópico da cola que mantém coesos os núcleos atômicos.
  • A força fraca: é a força responsável pelo decaimento radioativo e força que tive maior dificuldade em escrever aqui. Essa força é responsável pela desintegração radioativa de elementos como o urânio e o cobalto. E aqui são os bósons que mediam a força fraca. Ao pesquisar pela origem da palavra “boson” descobri que foi uma homenagem ao físico indiano Satyendra Nath Bose (curioso que o começo do nome dele é muito parecido ao do atual CEO da Microsoft Satya Nadella), pelo pouco que li a respeito de Satyendra, ele foi um físico bastante humildade, qualidade que parece rara neste universo de pessoas, tem até uma carta dele para o Einstein e é lindo como Satyendra a escreveu. Satyendra não recebeu nenhum Nobel pela sua contribuição para a física, mas seu nome vive nas discussões da física e ele próprio disse certa vez “eu tenho todo o reconhecimento que eu mereço”.

São 4 forças, e dentre elas, tem uma, umazinha, uma força que atormentou a vida dos físicos e ainda deve lhes tumultuar os pensares, e eu me refiro a Gravidade. Até hoje não foi possível confirmar a partícula associada a gravidade: o graviton.

Há um sonho entre os cientistas, o de explicar como o Universo inteiro funciona com uma única teoria. Eles tinham a teoria da Relatividade Geral de Albert Einstein que fornecia toda a base para explicar como tudo em maiores escala funciona, me refiro as estrelas, planetas e toda essa imensidão. A outra teoria, a Mecânica Quântica essa toda feita para explicar o Universo em suas menores escalas, onde tudo é bem incerto.

O elemento desafiador que os cientistas tinham aqui de alcançarem a resolução final de sua belíssima teoria unificada, foi a gravidade, porquê quando chegavam ao subatômico não era possível adequa-la ao comportamento incerto que há ali.

Atualmente tem-se a teoria das cordas, uma teoria inteira criada para conseguir acomodar as 4 forças, ou melhor, a gravidade as demais forças que explica o Universo em todos os seus tamanhos, até onde pude ler a Teoria das Cordas ainda não foi comprovada, a vantagem de escrever aqui é que posso me permitir dizer que a acho linda.

E se assim como a gravidade, houvesse também alguma força que nos trouxesse complexidade em nossa jornada por caminhos estreitos, mas essenciais.

Não lembro da data, se foi eu ou outra pessoa que fotografou, é do prédio onde eu moro e temos o Sol. O Sol geralmente é utilizado em exemplo quando tratam da gravidade.
Show your support

Clapping shows how much you appreciated Suelen Romancini’s story.