Se fossem só esses teus olhos que me escurecem o Sol mais cegante

Até ele se tornar bem vindo…

Se fossem só tuas mãos que me procuram com afinco

Ou seus dedos que quando cravam em mim, destroem o aço que um dia eu vesti

Definir seria mais simples; mais físico

Mas me parece algo tão necessário

Ponto cardeal, de chegada e partida

Mais que olhos, dedos ou mãos

Você pra mim é a sensação tempestuosa de uma noite com brisa tranquila que anseia por alguma inquietude

Que desfruta a natureza de uma faminta manhã de domingo

Que deita na relva de orvalho e contempla um céu de diferentes azuis

E que acaricia com um calor morno o corpo que procura

Meu enigma agridoce, minha sorte preenchida de reveses, a incógnita do meu problema, a partícula da onda. Meu potencial focado, desprezado.

Sai de mim, capeta.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Morgana Oliveira’s story.