Wonderwall, I say.

Estive pensando aqui comigo, e jurava a um tempo atrás que eu era sua salvadora. Caramba, como as músicas influência uma paranoia. 
Oasis, por favor, onde vocês me deixaram? Ate que galáxia um coração pode chegar? 
Olha só que bobagem, onde ja si viu uma pessoa querer salvar outra?
Como história em quadrinhos, e eu nem tenho super poderes. (Eu acho) Mas eu tenho uma formula secreta que e melhor do que um super poder visível a olho nu.
É um conjunto de cadeias, formulas, acho que nem a nomenclatura pra isso.
Bom, talvez. Podemos chamar isso de amor?
É, Amor, pra mais de metros, quadrado, cubos. Multiplicado por 100 e divido pra todas as pessoas compostas na minha vida. 
Achei que tinha amor suficiente pra salva um. Porque me disseram um vez que era a melhor remédio para curar corações quebrados, era uma boa dose desse tal de amor. 
Então, dediquei-me a minha missão. 
E percebi algo que estava errado. 
Minha fórmula aos poucos estava... Desaparecendo. 
Depois de muitas, inúmeras incontáveis infinidade de vezes tentadas. Nada fluía, era regresso. Que tipo de heroína eu sou? 
Foi então que desisti. E você sabe porque? 
Bom, eles dizem "maybe", e eu adotei um "tenho certeza, absoluta que irei salvá-lo e protegê-lo ". Incrível não é? Como um desejo, faz você acreditar em uma falsa realidade. Criada a partir de uma ilusão tragada pelo tempo, eu idealizei o mistério, esqueci que havia um talvez. 
Talvez é certeza pra você ? Pra mim não. Talvez é possibilidade, de ser mais um não do que sim. 
Depois de um tempo percebi que aquela música não era sua. Que na verdade era minha. 
Que o talvez estava divido entre eu e você.
E eu escolhi me salvar: de mais uma paranóia, que me fez criar um texto e que no final, talvez me proteja de decepções. 
O talvez agora é propriedade minha, faça o favor de não utilizar.


10 de outubro de 2016.

Like what you read? Give Kari a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.