“Tá tendo” Uber em Salvador, sim!

Uma análise sobre os argumentos dos taxistas na manifestação de hoje.

Toda manifestação deve ser respeitada e ouvida, independente de qual lado você esteja. Por isso fui analisar os argumentos dos taxistas daqui contra o Uber. Que é uma concorrência com preços desleais isso todo mundo já sabe.


  1. “um aplicativo que não tem nem endereço na cidade, que o dinheiro vai todo para o Sul do país”: Pasmem, o dinheiro não vai todo para o sul do país. 75% do valor de cada viagem fica com o motorista, logo a maior parte fica em Salvador. Bem similar com o que acontece com os táxis e suas cooperativas, não?
  2. “a carreata tem como objetivo alertar a população sobre os riscos que os passageiros correm ao usar o transporte irregular”: Calma aí, amizade! Vocês querem falar sobre riscos? Posso listar vários casos de mulheres que foram assediadas e abusadas por taxistas registrados, fora a parte em que temos que ouvir os preconceitos dos mesmos sobre tudo. No Uber, eu não posso garantir que todas as viagens serão seguras, mas sei o quanto a empresa se esforça para isso, pois sei quem é o motorista antes mesmo dele chegar e posso compartilhar a minha rota com quem eu quiser, para que a pessoa possa acompanhar a minha localização exata durante a viagem. Além de toda a análise feita com o motorista no momento do registro na empresa.
  3. “Além de não passar por nenhuma vistoria, os veículos que operam o Uber não têm regulamentação e não são cadastrados, não tem como saber quem está transportando vidas, diferente dos 7200 taxistas registrados na Prefeitura, que pagam por essas vistorias ”. Bom, sobre cadastro eu só irei completar com uma informação: Os motoristas devem enviar comprovante de antecedentes criminais para análise da empresa. Existe um seguro para o motorista e para o cliente. Quem tiver curiosidade: https://www.uber.com/safety/. Sobre o cadastro da prefeitura, o que me preocupa é quando a política interfere na governança, o que no Brasil acontece todos os dias.
http://www.correio24horas.com.br/detalhe/noticia/taxistas-fazem-manifestacao-em-salvador-contra-o-uber-e-ameacam-motoristas-do-app/?cHash=6b0954373dd44d665a7da83cfa7a2196

Nunca fui muito de andar de táxi, já que a maioria das vezes que preciso é a noite e, além de caro, não me passa segurança alguma. Mas em uma semana de Uber em Salvador já utilizei o serviço três vezes, teria usado mais se a demandas não estivesse tão grande. E o que posso dizer é que me sinto mais confortável e segura, mesmo tendo conhecido apenas motoristas homens. Todos foram muito educados, um estava até com mais medo de mim, achando que eu era da prefeitura, do que eu estava dele.

Entendo que os taxistas estejam preocupados, pois sei que existem os que trabalham certo, mas realmente é algo muito além de uma concorrência em preço, o serviço também é extremamente melhor, e isso é que deve ser difícil de se conseguir igual. Mas caso algum taxista espere que algum tipo de manifestação possa solucionar o seu problema, sugiro que manifeste como esse cara:

http://www.hypeness.com.br/2015/08/taxista-oferece-servico-tao-bom-quanto-o-do-uber-ao-inves-de-entrar-na-briga/

“Mas alguns dizem: Coitados dos taxistas…

Sendo assim, coitados do pessoal da Atari, dos funcionários das gravadoras de disco de vinil, das fábricas de vídeo cassetes, da Kodak, das datilógrafas, dos condutores de bonde e carroças e de tudo que ficou para trás, que evoluiu através da criatividade de alguém e trouxe mais praticidade, conforto e bem estar para a população.

Coitadas das locadoras de vídeo depois que chegou o Netflix, coitado do CD, do Orkut, do telefone fixo, dos jornais e revistas impressas…

Coitado é de você se não se atualizar. Também pode ficar pra trás…

Os motoristas de taxi serão os maiores beneficiados se trabalharem como parceiros do Uber ou buscando novos desafios. Os mais resistentes ficarão para trás, como em tudo na vida.

Os países mais resistentes também ficarão para trás e sua população refém de um serviço de baixa qualidade, de cartéis, mercados negros de licenças, cooperativas que sublocam os carros para diaristas e de carros velhos, além de alguns motoristas mal educados como esse.

Quando a população quer, não há quem segure. Leis são criadas e transformações invadem o nosso dia a dia. Imaginem que quando o carro foi inventado e quando eles começaram a invadir as ruas, o sindicato dos carroceiros quebrando os carros pelas ruas, condenando a população ao retrocesso somente para garantirem seus empregos ultrapassados…

O mundo que conhecemos hoje será totalmente diferente daqui a 10 anos.

Para o benefício de centenas de milhões, um pequeno grupo precisa sair de sua zona de conforto.

É uma questão de tempo. Este tipo de serviço estará no mundo inteiro beneficiando toda humanidade.”

http://geracaodevalor.com/blog/usei-o-uber-e-nao-quero-saber-de-taxi-nunca-mais/