Um domingo desses, fui ao mercado com as crianças e o Renato. Já no caixa, uma senhora cadeirante, vinha em minha direção. Eu afastei pra que ela pudesse passar. Ela não passou e ficou ali analisando minha pessoa. Já pensei: “Tais te prepara que tu vai ouvir agora. Era pra ter saído da frente logo”.

Foi então que ela me perguntou se a menina que estava na cadeirinha do carrinho e o menino pedindo os doces do caixa, eram meus. Fiz aquela cara tipo “como é?” mas claro, respondi: “São meus”.

Ela fechou a cara e na lata responde: “meu Deus, tão nova com tanta responsabilidade”.

Quanto a mim? Eu contei isso pra alguém e a pessoa me disse: caraca mas pra certas coisas você tem resposta rápida, agora nesse caso tu ficou calada? Pois é, eu fiquei la estatelada e sem acreditar que tinha ouvido aquilo.

Eu tinha perdido o foco do que ela tinha me falado. A única coisa que me deixou perplexa nisso tudo foi perceber que as pessoas estão cada vez mais indignadas com as escolhas dos outros, com a vida que cada um escolhe pra si. Seja em qualquer área da vida, você SEMPRE vai incomodar alguém. Se você tem um filho você tem que ter logo o segundo, se você tem o segundo, com o terceiro ia ficar uma família tão linda e grande. Com o quarto etc — miga, vamo ligar né? O estoque de nome pros meus filhos ja ta acabando pq vc tá pegando todos!

Se você é gorda precisa emagrecer. Por quê? Porque sim! Se você é magra tem que marombar agora. Se é alta, coitada vai ser difícil achar um cara alto igual, se é baixinha que lI tão fofinha. Se teve parto normal (índia- maluca-masoquista). Se teve cesárea então? “Menas mãe”

Não sei qual a dificuldade que o ser humano tem de NÃO SE METER na vida alheia. De não opinar quando não for pedido opinião, de se calar (segurar a língua na boca) pra não dizer besteira.

Certamente eu não perguntei o que aquela mulher achava da minha pessoa, com 24 anos de idade e com meus dois filhos zoenando o mercado inteiro. Mas ela foi la e expôs seu pensamento. Tem gente que chama isso de sinceridade (tem mesmo). Eu chamo de falta de educação. Será que é a Internet que está dando essa liberdade pra gente? Será que são os comentários que a gente faz na foto de fulano, mas na realidade, no pessoal pouco mostramos quem somos?! Fica aí a pergunta no ar e minha dica: acrescente palavras quando necessarias. Do contrário: “xiu”