Pó e Estrelas

Parte I

não voamos porque podemos
voamos porque não podemos

se pudéssemos
não voaríamos

não temos fé porque podemos
temos fé porque não podemos

se pudéssemos
não creríamos

havia a poeira e havia o céu, 
e a poeira sonhava ser céu

a poeira não queria ser terra
pois ser terra era ser o que era

e ser é sofrer
e sonhar curar

e sendo o chão o padecer
o ar é jubilar

somos um ou somos outro
a depender de onde olhar

a poeira foi pra longe
onde não se pode enxergar

para além do horizonte
no mais profundo alto-mar

assim fugiu do céu
assim fugiu do sonho
de alçar-se a seu comando
e ir no ar morar