Roupinhas sujas

Sou aquela menininha que nunca me defendo, bom, é fácil você brigar comigo e até fácil faço de errado comigo, não vou te ofender de volta. Vou guardar naquela caixinha de coisas não ditas e bem, vou viver com isso pelo resto da minha vidinha.

Fui assim por 22 aninhos da minha vida, mas uma hora a gente amadurece e percebe que isso não está certo. Faz mal pra alma, pra o coração e para nossa vidinha maravilhosa que Deus nos deu.

Certo do dia, o meu chefe me chamou para o corredor e disse que eu tinha que mostrar quem realmente era e que eu precisava ser mais corajosa. Fiquei refletindo isso por bastante tempo.

Nesse meio tempo, a agência estava realizando uma campanha para conscientizar os homens a não violentar as mulheres e estávamos a procura de mulheres que topassem a falar sobre suas experiências. E uma coisa que eu percebi foi que não era fácil, nunca foi fácil falar sobre algo assim, as mulheres se sentem culpadas, se sentem menosprezadas e com uma auto-estima baixo, muitas não toparam. Foi nesse momento que eu pensei: Por que eu não posso falar de uma coisa tão pessoal? E por que não posso mostrar a cara? Não preciso ter vergonha do que fizeram comigo, afinal, a culpa não foi minha.

Então, eu falei. Falei maravilhosamente, afinal, eu sou maravilhosa e cheia de glitter. Peguei todo mundo de surpresa, me peguei de surpresa. O que eu aprendi nessa mini-jornada?

Guardar coisas é como deixar o cesto de roupa sujo e sempre colocar mais uma roupinha lá, por que um dia você vai lavar. Porém, um dia, esse fatídico dia, você vai chorar por que vai ter que lavar e vai se perguntar o por quê de ter demorado tanto tempo pra lavar.

Talvez, eu tenha demorado 10 anos para falar algo que fizeram comigo, mas minhas roupas estão limpinhas agora e pretendo andar sempre assim. Não tô dizendo que você dever ser a louca dos barracos e que pegar ar com tudo, você não precisa disso. Você só precisa falar e quando tentarem te calar, fale mais alto e mais alto ainda, façam perceber que você está aí e que está lutando todos os dias para ser ouvida.

P.S.: Ainda não sei lavar roupa direito, sempre tem aquelas manchas que é difícil sair até com vanish.

P.S.2: A todos que não querem que eu lave minhas roupas, por favor, paguem uma lavanderia pra mim.

Like what you read? Give Talita Fernandes a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.