Professora brasileira escreve livro sobre suicídio para conscientizar alunos sobre dados alarmantes no país

Romance A Teia dos Sonhos, da professora e escritora Karine Aragão, propõe aos adolescentes reflexões sobre problemas comuns à juventude e sobre o valor da vida.

Mestre em Literatura Brasileira pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e doutora em Cultura Contemporânea pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Karine Aragão é professora de, aproximadamente, 600 crianças que estudam no ensino fundamental II, em Niterói — cidade que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), possui um dos maiores índices de suicídios do estado do Rio de Janeiro.

No começo do ano passado, a jovem professora de 30 anos foi surpreendida com a notícia de que uma adolescente teria se jogado do alto de um edifício próximo ao local onde leciona na tentativa de tirar a própria vida — fato que assustou os alunos e os funcionários da instituição de ensino em que trabalha. Diante disso, a escritora resolveu pesquisar sobre o tema e desenvolver o romance infanto-juvenil A Teia dos Sonhos — que tem como objetivo trazer aos jovens estudantes, por meio de uma linguagem adequada ao público alvo, não só reflexões sobre problemas ligados à juventude, mas uma forte mensagem de valorização à vida e às relações interpessoais.

A obra — cuja capa foi desenvolvida pela artista Cecília Barreto e premiada pelo concurso literário da editora Livro Canto — também aborda temas transversais como o primeiro amor, os conflitos na escola, a relação entre mãe e filha, o divórcio dos pais, entre outros. Com 182 páginas, a narrativa está disponível, de modo gratuito, na plataforma online Wattpad. Pode também ser adquirida pela editora Muiraquitã — localizada em Niterói.

A Teia dos sonhos é o terceiro livro da autora que, em 2015, recebeu do Programa Estadual de Incentivo à Leitura do Rio de Janeiro o III Prêmio de escritora do ano pela coletânea de contos “O homem que precisava ir”.

Para mais informações, é só buscar a página da professora/escritora Karine Aragão no facebook ou no instagram.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.