Salar do Uyuni, Bolívia

Salar do Uyuni, Bolivia

#Dia1

Salar do Uyuni foi o lugar mais fantástico que pude conhecer, mas pra chegar lá houve algumas etapas.

Primeiramente, os ônibus de lá não são dos melhores, por isso a decisão inicial foi:

Passagem de avião ida e volta de São Paulo para Santa Cruz de La Sierra e posteriormente pegar um voo de Santa Cruz para Sucre. Há opção de ir até Sucre de ônibus, mas recomendo fortemente ir de avião pois:

- Você pega um voo de 1h ao invés de 16h no ônibus
- E o preço não tem lá essas diferenças, paguei 190 bolivianos (o ônibus custa 60 se não me engano)

E assim foi. Voo de São Paulo até Santa Cruz e depois de Santa Cruz para Sucre. Chegamos aproximadamente 16h30 no horário local.
Outra recomendação é, troque imediatamente em Santa Cruz uma quantia de dinheiro, pois não tem casas de câmbio no aeroporto de Sucre e não deixe para trocar o dinheiro em Uyuni, pois a cotação de lá por ser uma cidade turística, se torna péssima.

O próximo destino foi Potosi e para chegar lá, tivemos que pegar um táxi do aeroporto de Sucre até o terminal de ônibus, que custou 4 bolivianos para cada pessoa e demorou aproximadamente 4h. O ônibus custou 20 bolivianos.

Taxi de Sucre
Ônibus em direção pra Potosí
Plaza 10 de Novembre, Potosí

Chegando em Potosi, já era 21h e não havia mais ônibus para o nosso próximo e “ultimo” destino da Bolívia: Uyuni. O ultimo horário é às 18h. Por isso, decidimos dormir em Potosi e ir para Uyuni na tarde seguinte. Ficamos no Hostal Compañía de Jesús, um ótimo lugar e preço dentro dos padrões.

Nossa primeira refeição descente após ficarmos horas sem comer

#Dia2
Para nao “perder” o dia, decidimos visitar a mina El Cerro Rico de Potosi e pegarmos o ônibus de 7h para Uyuni. A mina foi um lugar impressionante e bacana de conhecer, mas se conseguir pegar o ultimo ônibus para Uyuni (que é as 18h) pegue. Você economiza diária e tempo. Caso não consiga, a Mina é um ótimo lugar para se visitar.

Potosí, Bolivia
Potosí, Bolivia
Mina El Cerro Rico, Potosi
Mina El Cerro Rico, Potosí

Pegamos então o ônibus de Potosi para Uyuni às 15h e chegamos às 19h (mais cedo que o previsto). O preço foi 30 bolivianos. Chegando em Uyuni, o comércio já estava encerrando e por isso, decidimos ir atrás de agências para visitar o Salar na manhã seguinte. Ficamos hospedados no Hotel Avenida Uyuni por 50 bolivianos (o mais barato que encontramos, pois nessa semana o Dakar iria visitar o Salar)

Hotel Avenida Uyuni

#Dia3
Acordamos BEM cedo para ir atrás das agências. Nossa procura era de 700 a 800 bolivianos, incluindo o final do roteiro no Salar do Atacama. A agência escolhida foi a Andrea Tour, que atendeu as nossas expectativas. Sou vegetariana, e eles prepararam todas as refeições diferenciadas para mim.

Uyuni, Bolívia
Grupo fechado para o tour e o nosso carrinho

Fechamos a agência por 800 Bolivianos, deixando no Deserto do Atacama.

Partimos então para o primeiro dia no Salar, visitando:

  • Cemitério de Trenes
Cemitério Trenes, Bolívia
Cemitério Trenes, Bolívia
Cemitério Trenes, Salar do Uyuni — Bolívia
Cemitério Trenes, Bolívia
  • Processamiento de Sal
Salar do Uyuni, Bolíva
Salar do Uyuni, Bolívia
Salar do Uyuni, Bolívia
Almoçamos no Salar
Salar do Uyuni, Bolívia
Salar do Uyuni, Bolívia
Salar do Uyuni, Bolívia
  • Museo (Hotel) de Sal Playa Blanca
Museo (Hotel) de Sal Playa Blanca
Museo (Hotel) de Sal Playa Blanca
  • Isla Incahuasi
Isla Incahuasi
foto pra zuar o Bruno
hahahahaha
Isla Incahuasi
Isla Incahuasi
  • Pedimos pra ver o por do sol no salar
Pôr do Sol no Salar do Uyuni
Pôr do Sol do Salar
Pôr do sol no Salar
Pôr do Sol no Salar

Ficamos alojados em um hostel de sal beeem bonito e para tomar banho, tivemos que pagar 5 bol em banheiro compartilhado. Esse foi o meu pior dia no Salar, por conta da altitude. Tome muito chá de coca ou mastigue, costuma ajudar.

Alojamento de Sal, Salar do Uyuni — Bolívia
Alojamento de Sal, Salar do Uyuni — Bolívia

#Dia4

Acordamos às 6h pra começar o segundo dia no Salar. Visitamos:

  • Salar de Chiguana
Salar de Chiguana, Bolivia
Salar de Chiguana, Bolívia
Outra pra zuar o Bruno
Salar de Chiguana, Bolívia
  • Mirador de Volcan Ollague
Mirador de Volcan Ollague
Mirador de Volcan Ollague
  • Lagunas
  • Deserto de Siloli
Deserto de Siloli
Deserto de Siloli
  • Laguna Colorada
Laguna Colorada
Laguna Colorada
Laguna Colorada

Nesse dia, ficamos alojados em um local onde não tinha banho, então, leve umas toalinhas umedecidas pra ajudar.

#Dia5

Acordamos às 4h pra começarmos o ultimo dia de tour. Nesse dia a temperatura ficou negativa (mesmo no verão), então, vá preparado. Visitamos:

  • Geysers
  • Aguas Termales
Águas Termales
  • Deserto de Salvador de Dali
Deserto de Salvador de Dali
  • Laguna Verde e Branca
Laguna Verde e Branca
nós e nosso motorista legalzão Heber na Laguna Verde e Branca

E fomos deixados na fronteira entre a Bolívia e o Chile, saindo de lá em um ônibus para o San Pedro de Atacama pago já na agência e incluso no valor de 800 bolivianos.

Dicas:

  • Mesmo no verão, leve roupas de frios extremos.
  • As agências costumam sair 10h da manha para começar o tour, então, acorde cedo para vasculhar.
  • Tente encontrar alguns brasileiros que querem fazer a mesma rota que você para fechar uma agência com um desconto maneirão. Eles fecham 6 pessoas por carro.
  • A partir do momento que você fecha com a agência, tudo é responsabilidade deles, como alimentos e alojamentos, mas leve algumas coisinhas pra comer durante os passeios.
  • Se for vegetariana ou tiver alguma restrição alimentar, avise no momento em que fechar com agência.
  • Leve dinheiro extra pois, existem alguns passeios que você paga a entrada. Pergunte na agência quais deles exigem pagamento para não trocar dinheiro desnecessário.
  • Na fronteira da Bolívia com o Chile, tivemos que pagar uma propina de 15 bolivianos para a saída do país.
  • Para pegar o chão do Salar como a imagem abaixo, precisa chover. Então a recomendação é que vá em época de chuva, como verão. Fomos no verão mas o país está em época de seca :(
Show your support

Clapping shows how much you appreciated Tamara Barros’s story.