Lágrimas saem dessa caneta
E vão formar os versos da poesia
Por amar demais
E viver em um mundo de fantasia

Quando é que sonhar
Vai ser fácil e não vai doer?
Quando é que amar
Com todas as forças não me fará sofrer?

Sinto meu coração se desmanchar
Em meio a todos os sonhos se despedaçar
E os olhos, ardendo em seu pranto
Toda sua dor começa a despejar

Um misto de dor constante
E uma incompreensão que não faz parte do meu ser
Ao mesmo tempo que me conformo com esse “não”
Sei que o que sinto, agora não me deixa viver

Deve ser o preço que se paga
Por tentar ter a vida leve e despreocupada
Enquanto uns maltratam o que ainda existe de esperança
Eu tento mover o mundo sozinha, só pra ver o sorriso de uma criança….

Like what you read? Give Tamhy a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.