Namoradinho não, tia, namoradinha.

Desculpa, tia, mas acho que esse ano (e talvez nos próximos) eu vou te decepcionar. Não vou trazer nenhum mocinho pra sentar do meu lado do sofá da Vó.

É que há um tempo conheci uma menina incrível que me balançou e me deixou confusa, e desde que isso aconteceu eu não quis mais ninguém.

Ela é simpática, feliz e desprendida. Me anima, estimula e me completou como ninguém antes.

Ela me fez perceber que o melhor da vida se aprende sozinha. Ver o quão gostoso é poder andar por ai aprendendo coisas e vivendo com pessoas e lugares diferentes o tempo todo.

Eu quero viajar e conhecer o mundo, tia, e ela me fez perceber que é errado perder meu tempo do lado de alguém que limite meus passos.

Ela me fez ver que não preciso estar com alguém como somos ensinadas a querer estar, que toda aquela carência e procura por alguém que me completasse era uma pressão da minha própria cabeça, eu já sou completa.

Ela me fez perceber também que eu nasci sozinha, e assim vou morrer.

Mas fica tranquila que ela não é ciumenta, ela sabe que a qualquer hora alguém pode balançar meu coração, mas sabe também que ela sempre estará em primeiro lugar pra mim.

Ela me fez ver que sou livre, tia. Que posso fazer minhas próprias escolhas e que sozinha evoluo e amadureço muito mais. E que não vai ser namorado, marido, chefe e nem ninguém que vai me prender.

Desculpa, tia, mas talvez eu te decepcione dessa vez. Nessa festa não estarei sentadinha no sofá com meu mocinho, mas vou estar hora com meus tios, hora com minhas outras tias e priminhos, saltitando entre futebol, novela e a última foto do Justin Bieber no instagram. Não tenha dúvidas que sou mais feliz assim.

E eu até te apresentaria ela, tia, se vocês ja não estivessem conversando.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.