Eu não nasci pra passar matéria a limpo

Eu acho incrível como as coisas surgem na minha vida e tudo se interliga e faz sentido. Às vezes fico tomando banho e viajando pensando sobre isso.

Ontem não foi diferente: estava tomando banho e pensando sobre uma frase que eu ouvi pela vigésima vez ao assistir “Amizade Colorida” pela vigésima vez.

O pai de Dylan (Justin Timberlake) está sem calças no restaurante do aeroporto e diz a ele que a vida é muito curta.

Pode parecer clichê. Sim, é clichê. Mas eu acredito cada vez mais que as coisas que são clichês são bastante importantes. Como eu sempre digo: se sabedoria popular fosse bobagem, não seria chamada de “Sabedoria”.

É clichê, mas a gente faz e fala. Então deve ser importante. A vida é curta. É sim! Todas as vezes que eu ouvi alguém falando que se arrependeu de alguma coisa foi de NÃO ter feito.

No auge dos meus 28 anos eu posso dizer que me arrependo sim de algumas coisas que eu fiz, mas as que eu mais lembro são as que eu deixei de fazer. Como estar viajando e deixar aquela foto pra depois. Ou deixar pra comprar alguma coisa única depois. Esse depois nunca vem, gente. É sério.

Por isso que o título do meu artigo é esse: “Não nasci pra passar matéria a limpo”. Todas as vezes que eu uso um bloquinho ou uma folha de rascunho a chance deles continuarem intactos é de 99,5%.

Estou cada vez mais convencida que realmente não existe fórmula da felicidade ou receita pra viver a vida. Cada um tem que achar o seu próprio jeito de viver e ser feliz.

Estava conversando com uma caloura da faculdade e ela falou “eu funciono melhor com fichário”. Eu concordei e falei que demorei alguns anos pra entender isso. Mas depois que eu achei meu “fichário ideal”, não tenho mais problemas.

Acho que a vida é um pouco assim também. A gente vai vivendo e vai aprendendo o que funciona e o que não funciona muito pra gente. Cada um vai criando sua fórmula.

Esse é o motivo de eu ter parado de ler uns artigos aqui no Medium do tipo “segredos para ser mais feliz” ou títulos parecidos. Pode parecer contraditório, uma vez que meu melhor artigo foi dando dicas para aprender uma língua nova 😂 mas não é, juro!

Se você está com dificuldade, é legal procurar dicas e novas soluções e tal.. Mas nem todas as minhas dicas vão funcionar pra você necessariamente. Talvez você se identifique mais com uma e menos com outra. Mas o importante é que você está saindo da sua zona de conforto e buscando novas respostas.

Acho ótimo aprender com as experiências dos outros, mas, infelizmente, algumas coisas a gente só aprende quando sente na pele.

Esse artigo faz parte de um desafio que o Bernard De Luna propôs no fim do Workshop que fizemos sobre Criatividade e Espírito Empreendedor :)

Espero que vocês gostem!