Precisamos conversar sobre o Perfeccionismo

Fonte: Pinterest.

Primeira dica para encurtar este artigo em uns 5min de leitura:

NÃO EXISTE PERFEIÇÃO NESTE MUNDO.

Tendo dito isso, eu gostaria de saber (real oficial mesmo, pode me mandar mensagem por qualquer rede social) porque o senhor ou a senhora que me lê ainda teima em ser perfeccionista.

Eu estava vendo umas fotos pelo Instagram, quando me deparei com essa:

Antes de mais nada gostaria de agradecer à Tats por ter escorregado no mantra. Você vê né, nada neste mundo acontece por acaso e a sua foto (junto com o que escreveu na legenda) me serviu de inspiração para escrever este artigo aqui. Então MUITO OBRIGADA por ter sido perfeccionista só desta vez! 😂🙏🏻😍

Mas vamos lá…

Cara. “Perfeito” não existe. NÃO. EXISTE. Ok? Nós vivemos em um mundo material, que é sombra de um mundo espiritual. Se você nunca leu qualquer coisa de um fofuxo chamado Platão, eu sugiro que você pesquise no Google “Arquétipo” e “Mundo das Ideias”.

Hermes Trimegisto também falou que “é embaixo como é em cima”. Se quiser pesquisar, procure pelo 2º Princípio Hermético, ou Lei da Correspondência, no livro “Caibalion”.

Helena Petrovna Blavatsky, uma filósofa russa que fundou a Sociedade Teosófica nos Estados Unidos, tem um “livrinho” ou dois em que comenta este tipo de coisa também. 😂

Só to falando desses caras super sinistros pra você saber que eu não to tirando da minha cabeça a ideia de que é mó viagem ser perfeccionista. Eles falaram isso uns 3.000 anos antes de mim.

E eu posso falar sobre com propriedade porque eu já fui perfeccionista. Sim, até Pokémon evolui, eu também evoluí.

Eu era perfeccionista a ponto de desistir de entregar um trabalho da faculdade porque não ia ter tempo de fazer alguma coisa no mínimo aceitável. E aí entramos em duas questões:

  1. O nível de autocrítica chega a ser tão alto que nos paralisa; e
  2. Decidimos que não vamos fazer nada meio mais ou menos, pois não sairá perfeito.

Você já ouviu aquela frase “Se eu pegar pra fazer, eu vou fazer bem-feito”? Nela pode estar escondido um nível de perfeccionismo disfarçado de comprometimento. Você já disse essa frase em voz alta? Já pensou? Reflita sobre isso.

Voltando à minha história, eu te contei que eu mesma era perfeccionista… até o ano de 2007.

Nesse ano eu entrei pra faculdade de Pedagogia e já no segundo período, bati na porta do colégio em que tinha me formado no ensino médio e pedi um estágio pra diretora. Sim, na maior cara de pau mesmo. Fui contratada para trabalhar com a educação infantil.

Aí, meu querido leitor, você imagina eu, perfeccionista, tendo que colar 25 papéis em 25 agendas com 25 crianças de 5 anos dentro da sala de aula, sendo chamada pela professora pra conferir se todas elas estavam escrevendo seus nomes corretamente e por um aluno de porta aberta no banheiro falando “tiaaaa, acabei!”.

Namoral. Não rolava colar a folha na agenda toda retinha, centralizada com as linhas, passar cola em cada cantinho e virar gentilmente para pousar o aviso com calma e delicadeza, ouvindo música clássica ao fundo. Era uma loucura aquela sala, mas foi uma das melhores coisas que aconteceram na minha vida.

Faça o seu melhor. Mas faça. Se o seu melhor não for suficiente para você mesmo ou para qualquer pessoa que esteja te observando / avaliando / testando, paciência. A prática leva à melhoria (e nunca à perfeição, tá? Quem formulou essa frase formulou errado!).

Eu tinha uma chefe que sempre me dizia:

O ótimo é inimigo do bom.

É melhor fazer um bom trabalho do que não fazer trabalho nenhum por medo de não ficar perfeito.

E eu completo essa frase com uma coisa que eu ouvi de uma professora da faculdade: “quando você entrega um trabalho, é como se tirasse uma fotografia de quem você é e do que consegue fazer no momento em que o prazo acabou”. Se você tivesse mais tempo, faria um trabalho muito melhor? Com certeza. Mas ela queria avaliar o que eu tinha aprendido até aquele momento.

Então, meus amigos, vamos combinar uma coisa? Deixa a perfeição para os deuses e foca em fazer um bom trabalho enquanto estiver aqui na Terra, valeu?

E termino com a foto da minha capinha de celular com a frase que me acompanha todos os dias, com um unicórnio de chifre de arco-íris:

Beijos imperfeitos! 🦄

Like what you read? Give Tamires Romano a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.