Pensando aqui…

na efemeridade daquilo que não desejamos que fosse efêmero. Naquilo que se faz passageiro quando queríamos a demora. Na complexidade que criamos no que deveria só ser. Deixar ser e ficar, sem pressa de ir embora. O que, no fim, sempre é e foi o que era pra ser.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.