Não te sabotes mais

Hoje eu estive em um evento para mulheres em tecnologia com mentoria de carreira e a palavra que ficou muito marcada na minha cabeça foi: sabotagem.

Sabotar significa danificar algo de maneira criminosa para impedir ou retardar o funcionamento de algo. Esse verbo transitivo antigamente era usado quando o assunto era instalações industriais ou algo do tipo. Sabotagem era algo revolucionário feito por grevistas ou terroristas com o intuito de prejudicar. Infelizmente, esse verbo é facilmente aplicado de maneira reflexiva, isto é, naquelas situações em que a pessoa de quem se fala é o sujeito da ação do verbo: eu me saboto, tu te sabotas, nós nos sabotamos, mas vamos parar com isso agora mesmo!

Eu me saboto quando, por causa das dificuldades do mercado de trabalho, eu me submeto a uma situação que extrapola os meus limites. Isso pode se aplicar a vários casos: desde quando a gente aceita ganhar menos do que acredita que merece para não "encher o saco" ou parecer chata ambiciosa que só pensa em dinheiro, até quando a gente ri de piadas que nos fazem mal e que não achamos graça nenhuma. Não se sabote, fale do que não gosta e, acredite, as pessoas não costumam se ofender com isso.

Tu te sabotas quando não acredita em si — isso é algo muito comum entre as mulheres que trabalham com tecnologia. Já ouvi de várias que não se consideravam uma profissional de tecnologia e não tinham coragem de posicionar como tal por falta de segurança. Muitas vezes é preciso alguém de fora ajudar com esse reconhecimento. Nem sempre a gente tem alguém que vá nos ajudar a nesse autoconhecimento, por isso é preciso gastar energia e se assumir, sair do armário.

Nós nos sabotamos quando mudamos a nossa imagem para parecer mais com o cargo que ocupamos — principalmente quando é novo. Diretora não tem que ter cara de diretora (mas sim atitudes e competências), CTO não tem que ter cara de CTO (mas sim conhecimentos para tal). Mudar para parecer com algo que conquistamos pode afastar as pessoas por não "parecerem", e é por isso que mostrar a diversidade incentiva muitas outras a irem além, cria mais modelos de inspiração, principalmente para os mais jovens.

Não é simples assim sair mudando, entendo. Mas também não é errado querer que as coisas sejam mais agradáveis para si e para pessoas como você. Por isso eu gostaria de incentivar todas e todos a terem coragem e a, pelo menos, falar com as pessoas de confiança sobre o assunto. Chega de sabotagem.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.