Pare de falar da dor mesmo que esteja doendo

Elizabeth Gilbert, autora do Comer, Rezar e Amar escreveu no seu perfil do Facebook um texto delicioso sobre uma dor no joelho que ela tinha há anos e que cuidava como se fosse um bebê. Ia a médicos, fazia tratamentos diversos e a dor seguia firme. Limitava sua vida e em qualquer lugar que fosse ela avisava: tenho um joelho ruim, não posso fazer isso. Um dia ela conversou com seu joelho e perguntou o que poderia fazer para ele melhorar. E o joelho respondeu! Ele disse: me use, me deixe correr, é para isso que eu sirvo. Ela diz que depois que seguiu o conselho do joelho e passou a correr, a dor sumiu. Ela escreveu esse texto enquanto caminhava pelo Alpes italianos.

Eu tinha uma dor lombar que não passava com remédios, tratamentos, fisioterapia, pilates. Mudei a cadeira, ajeitei o monitor, troquei o colchão, tomei os remédios e ela nunca me abandonou completamente. Até que esse ano fiz uma única resolução de ano novo e escrevi no meu caderno: "Parar de falar da dor, mesmo que esteja doendo".

Se queixar das coisas é um hábito. E eu parei de me queixar. No pilates, quando a professora perguntava: Tudo bem? Está com alguma dor? eu dizia que não e seguia para os exercícios.

Oito meses depois, minha dor lombar não desapareceu. Não deixou de doer, mas parou de incomodar. Tem dias que eu nem lembro dela e não tomo mais remédios.

A gente alimenta nossas dores. Alimenta mágoas, medos, deixa eles crescerem, ocuparem espaço na nossa mente, na nossa vida. Carregamos a bateria dos problemas diariamente, falando, se queixando, lembrando. Parei de alimentar minha dor. Parei de alimentar meus medos, parei de lembrar das minhas mágoas. E elas sumiram.

Ano passado, nessa mesma época começava a campanha eleitoral mais desgastante dos últimos tempos. E um ano depois, parece que a campanha eleitoral continua. A gente ainda está falando disso. E estamos parados, limitados, cheios de dúvidas e incertezas. Que tal parar? Parar de repetir aquele assunto chato, reclamar do problema sem solução, daquela situação incontornável. Parar de gastar horas vibrando com coisas que nos desagradam. Que tal parar?

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Tathy Viana’s story.