Amor reverso

Às vezes eu consigo ver, de forma reversa, como eu era antes de você ter aparecido. De todos vocês. Consigo ver como eu tinha menos cicatrizes, como eu era menos machucada.

Mas não posso negar que aquele seu sorriso não valeu à pena, que o beijo não tenha sido quase que de outra vida. Não posso e não vou negar. Mas sabe, eu podia ter saído dessa situação muito antes, eu não precisava ter insistido. Eu travei uma batalha sozinha e eu perdi.

Todas as vezes que isso se repetiu, ao longo dos anos — sim, anos — eu me destruí, levantei e juntei os cacos. Juntei o que sobrou de mim. Quantos pedaços a gente consegue perder e ainda ser inteiro? Eu espero nunca descobrir a resposta dessa pergunta.

Eu sinto falta de mim lá no começo, antes dessa coleção de histórias tristes de amor. Me pergunto quem eu seria hoje se eu tivesse parado de insistir em gente que não me queria. Eu devia ter parado, sei que sim. Eu acho que, no fundo do peito, eu só queria um pouco de amor.

Jarek Puczel

Eu queria tanto isso que vivi esse tempo todo mendigando amor, implorando por aprovação, por afeto, por algo que mostrasse que eu valia à pena. Eu me submeti a isso porque queria sentir que eu também podia ser amada. Mas nunca aconteceu, essa hora que todo mundo fala que acontece quando a gente menos espera, não aconteceu pra mim.

No meio de tudo isso eu esqueci do amor próprio, acho que foi um dos pedaços que eu perdi por aí. Esqueci que eu não devia, jamais, nem por um minuto, insistir em gente que não tá nem aí pra mim. E eu esqueci também como faz pra me libertar disso.

Like what you read? Give Tatiana Michaud a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.