Como aprender a estudar sozinho para fazer de 2019 o Ano de Ouro da sua vida

Sinceridade.

“O único método de estudo que funciona é a sinceridade” é o que diz o Prof. Olavo de Carvalho. Vou repetir isso em todos os meus textos, até que esteja bem gravado na sua mente.

Ninguém nunca te ensinou isso antes? Pois deveria. E esta é uma verdade que você irá concordar comigo, assim que compreendê-la completamente. Por isso, leia este artigo até o item 6 pelo menos, para — finalmente — aprender a estudar sozinho e conseguir alcançar os seus objetivos.

A frase do Professor Olavo quer dizer que nós só aprendemos aquilo que queremos aprender, ou seja, aquilo que o nosso coração deseja. Somente isso. O restante é apenas uma forma de fazer você perder o seu precioso tempo e desgastá-lo.

Quem nunca passou por isso, não é mesmo? Mas compreender verdadeiramente esta verdade vai libertar você de muitas mentiras, como: “Ah, eu sou burro!”, “Todo os meus colegas aprendem e eu não”. Muito provavelmente o problema está na sua falta de sinceridade em querer aprender o conteúdo, e a consequência é gerar estes pensamentos que apenas lhe enfraquecem.

E muito provavelmente o desejo do seu coração seria aprender outras coisas. E nestas áreas sim, você teria um desempenho muito melhor. Tenho certeza disso e você também.

Mas entendido que a sinceridade é o que abre a nossa inteligência para o aprendizado, devemos prosseguir para a parte prática dos estudos. Assim, separei 6 dicas preciosas para você aprender a estudar sozinho e alcançar todos os seus objetivos.

#1 — Tenha um motivo:

Você sabe por que estuda? Se você faz isso por amor ao conhecimento está no caminho certo. Porém, se a motivação não for forte o suficiente para fazê-lo sentar e dedicar-se profundamente algumas horas do dia nesta missão é melhor repensar.

Às vezes, a motivação são os filhos e a família.

Às vezes, um compromisso feito por motivo do trabalho ou com a comunidade.

Logo, você precisa saber o motivo pelo qual você irá se sacrificar.

#2 — Faça o mapa do percurso

Antes de começar o trajeto, você precisa conhecer o caminho.

Com certeza, você sabe que seja qual for a sua área de estudos, alguém chegou antes de você. Na verdade, muitas pessoas chegaram antes de você e já deixaram a sua contribuição.

Assim, para que você não “caia de paraquedas” dentro da disciplina e acreditar que está fazendo algo inovador, quando já foi feito por algum precursor, é necessário que você conheça a História da disciplina.

Você já pensou em estudar a História da disciplina que você escolheu? O que já foi feito até aqui, quem são os grandes nomes da área e o que estas pessoas já fizeram?

Conhecendo este mapa você saberá exatamente onde está e onde precisa chegar.

Leia mais sobre isso em: 14 dicas para tornar-se um leitor mais produtivo em 2019

#3 — Conheça seus guias

Como disse no item anterior, conheça seus guias. Não importa quão moderna e inovadora seja sua área de interesse. Alguém já fez algo antes de você.

Conhecer estas pessoas e o que elas já fizeram permitirão que você escolha alguns modelos a seguir. Conheça-os, procure suas biografias e busque por bons exemplos a seguir.

#4 — Marcações

As marcações são muito importantes porque são elas são o primeiro passo, mesmo que você gaste algum tempo em fazê-las. Sua finalidade é ressaltar o que realmente importa no texto.

Mas o que realmente importa?

É necessário marcar palavras-chave ou estruturas (tópicos e subtópicos) que favoreçam a organização e estrutura da disciplina estudada. Tenha estas duas palavras sempre em mente no momento das marcaçãoes: Ordem e estrutura. As ideias precisam ter hierarquia. Isso facilita seu cérebro organizar as informações e permite melhor compreensão.

Persiga a ordem, estrutura e hierarquia das ideias em todo texto em que for necessário extrair algum aprendizado e a sua inteligência irá ajudá-lo no restante do processo.

Extraindo a hierarquia das ideias você poderá fazer revisões mais rápidas do conteúdo sempre que precisar. Além de ajudar na realização das suas anotações, como veremos adiante.

Cada um tem uma forma de fazer suas próprias marcações. Há quem goste de usar marcadores de texto, lápis, canetas coloridas e “post its”.

Veja três formas diferentes:

Utilizando Post it:

Ao final capítulo ou subcapítulo você pode fazer um resumo com poucas palavras dizendo sobre o que se trata aquele bloco de texto. Você também pode utiliza-los para marcar partes muito importantes do texto (ou livro). Partes com conteúdo chave que sintetizam todo o texto.

Utilizando Marca texto, canetas coloridas ou lápis:

O princípio das marcações é ordenar e oferecer uma estrutura para quando você for fazer anotações e revisões. Assim, é importante que você reconheça no texto chaves universais que irão oferecer esta ordem e estrutura necessárias. Um exemplo é marcar os conceitos e definições, causas, datas importantes e cronologia dos acontecimentos, pessoas envolvidas, locais importantes.

Procure por palavras-chave que respondam a estas chaves-universais que irão te ajudar a compreender melhor o conteúdo.

Lembre-se que deixar a página toda marcada não irá te ajudar em nada para fazer anotações.

Portanto, defina bem o que precisa ser marcado, para que você consiga encontrar facilmente estas marcações no momento das anotações e revisões.

Fazendo marcações no Kindle

Caso você faça marcações em sua leitura do Kindle, pode seguir o mesmo raciocínio de buscar pela hierarquia das ideias e pelas chaves universais (conceitos e definições, causas, datas importantes, cronologias, pessoas e locais envolvidos).

Basta clicar com o dedo em cima da palavra ou trecho do texto que deseja marcar e destacá-lo. Depois, para consultá-las basta você procurar pela aba “Ir para” e “Notas”. Assim, todas as marcações feitas no documento poderão ser consultadas.

#5 — Anotações

Método Fácil:

Assim, se você não tem muito tempo para fazer resumos dos seus estudos você pode simplesmente fazer anotações rápidas nas margens dos livros (ou usar os post its) anotando o que é importante para você lembra-se depois.

Método de tópicos:

Este é um método também bastante simples que te ajudar a organizar e resumir as principais ideias do texto e criar uma estrutura da disciplina.

Método de Cornell

Este é um método um pouco mais sofisticado em organização, porém bastante simples de ser feito. Ele próprio oferece uma estrutura que irá te ajudar a pensar e organizar as informações retiradas do texto.

No CABEÇALHO você anota o título da aula (curso ou livro que esteja estudando). Logo abaixo há um espaço para anotação da data e do nome do professor.

Na lateral esquerda, na coluna ATALHO, você tem um espaço para anotar datas, fórmulas ou palavras-chave importantes.

Na coluna maior à direita de NOTAS, você faz a anotação da matéria, anotar exercícios, perguntas e exemplos, etc.

Embaixo há um espaço para você fazer um RESUMO com suas próprias palavras dizendo o que compreendeu no texto.

Criei esta página em PDF e você poderá fazer o download aqui gratuitamente e começar a estudar hoje mesmo.

Mapas mentais

Este é um recurso muito rico para quem tem um volume grande de matérias para estudar e que aprende de forma mais visual. Assim, basicamente os mapas mentais são uma forma visual de organizar as principais ideias do texto de acordo com a hierarquia delas dentro do conteúdo e apresentá-las de forma visual, com desenhos e imagens.

Assim, quando você precisar lembrar-se de algo que estudou sua memória poderá recorrer aos recursos visuais dos mapas mentais que você fez. Portanto, é um recurso que pode ajudá-lo a lembrar-se das informações.

Você pode fazê-los manualmente, utilizando canetas coloridas para ressaltar os principais tópicos e seus subtópicos, além de incluir desenhos que facilitarão sua memorização.

Há quem não seja fã de papeis, cadernos e blocos de nota e prefira usar as versões online.

Assim, há inúmeras opções de aplicativos e sites que oferecem diversos recursos, inclusive o compartilhamento e a construção coletiva. Isso permite que você consiga construir mapas mentais junto com seu grupo de amigos, ou mesmo dividir com eles o resultado dos seus estudos.

Mas cuidado com distrações!

Como criar um mapa mental?

Em dicas bem simples:

  1. Use cores: ajuda sua memória visual.
  2. Tenha espaço ilimitado para construção, se necessário use várias páginas. Seu cérebro não organiza as informações em páginas.
  3. Perfeccionismo é coisa de “preguiçoso chique”: faça do seu jeito e não se preocupe em fazer de um jeito perfeito. Faça seus próprios desenhos, ícones e imagens que te ajudarão a recordar depois. Você não precisa mostrar seus mapas para ninguém.
  4. Aprofunde: cada segmento do seu mapa mental pode ser trabalhado com mais detalhes. Assim, você pode produzir novos mapas e aprofundar cada vez mais nos conteúdos.
  5. Divirta-se: para muitas pessoas estudar é algo agradável, para outras não. Estas podem utilizar deste recurso para tornar a atividade mais agradável.
  6. Compartilhe: use os mapas mentais para compartilhar e ensinar aos outros o que você aprendeu.

Sites para construir mapas mentais online:

Logo, se você se interessou pelos mapas mentais e gostaria de saber mais sobre como eles podem te ajudar nos seus estudos, leia o livro Mapas Mentais — métodos criativos para estimular o raciocínio e usar ao máximo o potencial do seu cérebro, de Tony Buzan.

#6 — Coloque em prática

A segunda regra de São Tomás de Aquino direcionada aos estudantes é aplicar o que se quer ao espírito. Mas o que isso quer dizer? Você precisa absorver o assunto estudado e colocá-lo em prática, quer seja explicando para uma amigo ou mesmo na sua própria rotina.

Portanto, se o conhecimento não tem aplicação na realidade, ele se perde.

Conclusão

Portanto, neste artigo você pode conhecer os principais métodos de estudo utilizados há milênios pelos estudiosos. Nada aqui é novo ou foi criado por mim.

Você viu que é possível saber como aprender a estudar sozinho e com boas doses de perseverança e disciplina alcançar todos os seus projetos. A técnica para otimizar os seus estudos você viu aqui e para aprendê-la de fato, agora precisa colocar em prática nos seus estudos.

Seja perseverante. Nas primeiras tentativas a chance das coisas não saírem como você aprendeu aqui é muito grande. Portanto, não hesite em retornar a este texto e consultar quantas vezes forem necessárias sobre o que fazer para melhorar seus estudos. Salve esta página nos seus favoritos, você pode precisar dela em poucos dias.

Somente a prática diária e um trabalho comprometido irão fazer com que você evolua, tanto na aplicação destas técnicas, quanto nos estudos. E claro, nos seus projetos.

Não acredite em fórmulas mágicas, elas não existem. Acreditar nelas é o caminho para a decepção.

Assim, espero que este artigo te ajude a melhorar nos estudos e, principalmente, a sua inteligência. Você merece alçar altos voos, assim como uma águia.

Muito provavelmente a maioria das pessoas ao seu redor não conhecem estas técnicas e ficam quebrando a cabeça com a vida de estudos. E muitas vezes, com resultados medíocres.

Pense em um amigo querido e compartilhe este artigo com ele!

Caso tenha ficado alguma dúvida, deixe seu comentário que será um prazer respondê-lo.

_______________________________________________________________

Para conhecer mais textos que irão te ajudar a ler e estudar mais, acompanhe meu trabalho em www.livrosonline.blog.br