E vai conhecer gente onde?

Estava num papo animado com uma amiga esses dias e comentei que já fazia um mês que eu tinha apagado minha conta do Tinder, além de ter bloqueado e excluído os caras que conheci lá e, por um surto de carência, adicionei nas minhas redes sociais.

A primeira reação dela, no entanto, me surpreendeu: me perguntou sem cerimônia onde eu ia conhecer gente nova a partir de agora. Confesso que não soube o que responder, ainda não sei, mas venho pensando nisso já faz algumas horas.

No Tinder podemos escolher alguém (que também nos escolheu) e começar a conversa fazendo uma piadinha ou perguntando qual o filme favorito da pessoa. Podemos fingir que somos super engraçados ou não precisamos fingir nada, inclusive que somos babacas. E ainda existe o bônus de não termos que olhar no olho de ninguém (eu acho um ônus, amo olhar no olho).

Na vida real, no entanto, fiquei pensando em como não temos mais tato pra puxar assunto. Só de imaginar falar com alguém do nada eu travei.

Mas é natural que a gente acabe conhecendo gente por aí. Eu moro na capital do maior estado do país, eu vejo gente demais o tempo inteiro, como não conheceria alguém?

É claro que vou conhecer gente por aí, na rua, na vida. Um dia no ônibus, elogiando uma camiseta bacana ou um livro, ou na fila do banco, rindo de uma piada que não era dirigida pra mim.

Mas pode deixar, que ficar sem conhecer gente não vou não. E além do mais, eu já conheço gente pra caramba, dá pra aguentar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.