Os homens despertos que ainda querem donas de casa

Tradução desta matéria.

Antes do meu casamento com Andrew, ele participava de um clube do livro composto majoritariamente por homens progressistas. Em uma reunião, após lerem sobre a porcentagem desproporcional de trabalho que as mulheres fazem ao cuidar de filhos e dos pais idosos, todos os homens concordaram que era horrível que nos EUA não havia legislação adequada para licença maternidade paga e igualdade salarial.

Mas quando Andrew perguntou a esses homens com tendências de esquerda quantos deles estariam dispostos a ter uma esposa que não fizesse a maior parte das tarefas domésticas e de cuidados, a sala foi tomada por silêncio.

Há uma grande diferença entre acreditar na igualdade e estar disposto a viver isso — especialmente para homens.

Um novo estudo, com base em dados coletados durante quatro décadas, mostra que, embora devêssemos estar mais otimistas em relação ao progresso das atitudes de gênero nos EUA — há suporte amplo à igualdade entre homens e mulheres — , ainda há uma imensa lacuna entre como as pessoas unem seus princípios políticos e suas vidas pessoais.

25% das pessoas ouvidas nas pesquisas disseram que embora homens e mulheres devam ser iguais na esfera pública, elas acreditam que as mulheres devem fazer a maior parte do trabalho doméstico e de cuidado dos filhos. Isso se alinha com a lacuna de progresso que as mulheres norte-americanas encaram na esfera doméstica; fizemos progresso em quase todas as áreas, exceto em nossos próprios lares.

Embora esse seja um número grande de pessoas admitindo algo problemático sobre mulheres, trabalho e poder, elas provavelmente não pensam que isso seja sexista.

“Você pode acreditar que homens e mulheres têm tendências e habilidades naturais realmente diferentes, que mulheres são melhores nutridoras e cuidadoras, e ainda acreditar que mulheres devem ter direitos iguais na força de trabalho”, Barbara Risman, uma professora de sociologia na Universidade de Illinois e uma das autoras do documento, disse ao The New York Times.

Realmente, embora somente um pequeno percentual de norte-americanos acredite que as mulheres não devam ter direitos iguais, de acordo com Pew, muitas pessoas ainda creem em ideias antiquadas sobre diferenças biológicas entre os sexos. Embora mulheres tenham a tendência a pensar que as diferenças entre homens e mulheres são baseadas nas expectativas da sociedade, os homens são muito mais propensos a acreditar em uma diferença “natural”. (Republicanos também são mais propensos a crer nisso do que Democratas.)

Vamos deixar claro: crenças sexistas sobre aptidão nata, mesmo quando vêm de homens progressistas, são um escape mascarado de posição ideológica. São uma desculpa conveniente criada para homens que querem parecer “despertos” enquanto mantêm o poder pessoal em suas relações.

Não é mais socialmente aceito acreditar que as mulheres são menos — em especial não durante um momento em que o feminismo está obtendo tanto poder cultural. Mas argumentar que mulheres são apenas naturalmente melhores cuidadoras ou nas tarefas domésticas é uma maneira inteligente de dizer que você tem valores progressistas enquanto alega que está apenas elogiando as habilidades das mulheres de passar roupas como ninguém.

Uma maneira de combater essa linha de pensamento é destacar que homens são totalmente capazes na esfera privada. É verdade que a cultura norte-americana adora retratar homens como tolos no que se refere a criar filhos ou limpar cada, e esse é um estereótipo injusto.

Mas, para as mulheres terem progresso real dentro e fora de casa, os homens precisam abdicar de algo: os sonhos controverso de manter um discurso feminista enquanto buscam parceiras que desejam limitar suas aspirações ao lar.

Os homens não podem alegar que são aliados das mulheres neste momento enquanto insistem que somos melhores em dobrar roupa e trocar fraldas— embora eu tenha certeza de que nenhum homem ousaria falar nesses termos. Apesar de Donald Trump, Brett Kavanaugh e dos homens do #MeToo, estamos no processo de fazer uma mudança real. Mas ela precisa começar dentro de casa.