Não volta

se tem a intensão de desgraçar a minha vida— de novo.

E de novo, e de novo. Para! Me deixa em paz, me traz a paz, qualquer coisa. Me reencontrei, depois de você ter me feito fugir, e me encontrei com o destino que não deixa nossa história terminar. Corri pra longe por muito tempo. Corri de você e de suas mentiras, das perguntas sem respostas, do cheiro de cigarro quando a gente acordava. Corri de você e do que representava acordar do seu lado, ou não dormir. Voltei porque precisava sentir. Sentir qualquer coisa, porque eu simplesmente não sentia mais. Você foi embora e só deixou os restos. Mas eu já estava acostumada com os restos, entende? Porque era apenas o que você me proporcionava antes, e até disso sinto falta. Eu sou uma pessoa má por querer sofrer? Não quero você, entenda. Quero viver. E você me puxa pra baixo, você me joga do abismo. Volta que eu caio, mas juro por Deus que levo você junto.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.