Que legal!! Obrigado pela resposta. Tréplica aceita como desafio.
a.cx.punk
11

e seguimos…

Do silêncio obscuro de minha garganta,
eu! poeta feliz e miserável
saem os versos à bela amada

Desse nó
indefinido nó
a indefesa solidão
daquele que levou para si
os dias pueris de compaixão

Aquele que nada tem,
a si, aos outros, ou ao poema
que assim que escrito abandona
a pena, a tinta e o poeta

Infeliz sempre será
por transcrever qualquer minúcia
expectativa de (in)verdade
dar asas, deixar voar

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Tayara Causanilhas’s story.