20 minutos

Em 7 anos que nos conhecemos acho que este foi o primeiro que completamos 365 dias juntos. E não só juntos, como morando sob o mesmo teto.

Achei que o teto viria abaixo.

Em 365 dias nós brigamos por causa da louça, da planta, do celular, o cabelo no chão, mau humor, respostas ríspidas, pelo pessimismo, atrasos, futuros distintos, sonhos diversos, ciúmes, a meia virada, falta de atitude, excesso de atitude, porque queria mudar, pelo que foi dito, pelo que se quis dizer, amigos, bebedeira, por causa dos insetos, das férias, divergências no trabalho e por causa de uma faca.

Nós choramos, chegamos ao limite, fizemos a mala, dormimos separados, conversamos, discordamos, conversamos novamente, fizemos ameaças, fomos sarcásticos, pedimos ajuda, tivemos que conversar mais uma vez e recomeçamos.

Neste ano fui quem sempre sou e tentei ser diferente por você. Descobri o que seria a continuação de uma comédia romântica depois que os protagonistas ficam juntos e que o mocinho nem sempre está disposto a ajudar nas tarefas diárias. Entendi que estes primeiros anos irão construir a nossa base, mas que sempre é possível recomeçar. E que toda foto feliz nas redes sociais tem sua porcentagem de frustração.

Relacionamentos não são simples. Mas como você mesmo disse “também não são tão difíceis”. Quando resolvemos que a maior briga que teríamos era para nos manter juntos, sem dúvida ficou mais fácil. O teto não desabou, e cada dia o reforçamos para que nos mantenha seguro. Continuamos com os nossos desentendimentos, mas o medo de falhar foi embora.

Para quem fica na dúvida se insistir em alguém vale a pena, só posso falar sobre o que eu ganhei: uma nova família, um cozinheiro, uma planta, um companheiro de séries, livros e filmes, cócegas pela manhã, almoços de domingo, alguém de quem me orgulho, abraços de conforto, leveza na vida, 4 cachorros, uns quilos a mais, elogios todos os dias, piadas infame, alguém que me ama mesmo quando eu mesma acho difícil me suportar.

Ontem te perguntei quanto tempo mais você ficaria comigo, e você disse “só mais 20 minutos, porque depois eu vou dormir.”

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.