É ciúmes que fala quando, sabendo o que a outra pessoa está fazendo você repensa seu “não estado” com ela? De todas as maneiras possíveis isso é ilógico. Somos pessoas diferentes demais, você é todo sociável e eu tenho mini surtos todos os dias pensando em me encaixar em algum lugar, sou deslocada. Você é aquele tipo de ser humano incrível que mal parece humano, e confesso que as vezes é difícil de lembrar, seus limites estão no infinito. Enquanto eu sou completamente limitada e cheia de paradigmas, pego minha humanidade falha, friso bem o falha, e esfrego na cara de qualquer um, cada passo um tropeço. As vezes cansa isso tudo. Você é todo sol e eu sou toda tempestade. Coexistimos no mesmo mundo, dominamos o mesmo céu, mas não fazemos sentido, fazemos? No final das contas não parece ciumes, só a realidade tirando as ilusões de meus olhos cegos.

Sou inconstante demais para interagir com os outros, para ser parte de algo por tempo demais. A facilidade de me amar vem de anos em constante mudança. Todos pagamos um preço pelo que nos tornamos.
Para o resto do dia, um sorriso no rosto, desculpas na ponta da língua e palavras amáveis. Não quero pesar.
Like what you read? Give Marília Castro a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.