Negociação

– Chefe, fiz meia-hora de almoço hoje e vou sair mais cedo então.

– Pois é, não vai ter como. Na verdade eu preciso até que você estique.

– Mas é meu direito, eu fiz meia-hora. Posso… 
– Então, se você estiver desmotivado a gente pode botar outro no seu lugar.

– Demorou então. Pagando os meus direitos.

– Vai ser em comum acordo.

– Mas aí eu perco o seguro-desemprego.

– É você quem está insatisfeito com as regras da empresa.

– Isso não é verdade.

– Ah, então você vai esticar hoje?

– Não!

– Então vou pedir pro RH imprimir o comum acordo.

– Isso é um abuso. Vou meter vocês no pau.

– Tem certeza? Se perder o processo é você quem paga.

– Me dá essa merda de papel.

– Se você assinar não vai poder reclamar na justiça.

– Tá, eu vou fazer a outra meia-hora e sair no horário normal.

– Hehe. Precisamos que você estique. É isso ou arrumamos quem veste a camisa. O que vai ser?

– Quaaaaaack.

– Vai mesmo?

– Quack.

– Sabia que podíamos contar com você.

– Quack, quack.

– Ah, e a duração dessa… negociação… não contou como horário trabalhado, tá? Vai ter que repor isso também.

– Quack, quack, quack?

– Eu não sei nem mais que porra você tá perguntando, hahahaha. Mas a resposta é não.

Like what you read? Give Ricardo Terto a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.