eu poderia afirmar que adoro ignorar o instante transversal — uma grande briga de ferozes. uma explosão de raios. um vento violento de estufar cortinas. o vômito de uma passageira. a queda de um ovo, a queda de uma árvore, a queda de um acrobata, a queda da pele sobre o corpo, toda e qualquer queda. a onda do mar que avança enquanto se desdobra. a presença invisível de alguém nas costas. o olhar quente de uma mulher. o pau duro de um homem (se bem que aí não se trata de um instante transversal…) a cabeçada de um cavalo. o derrame de um vaso. o entupimento de outro. Perséfone. a corda da cantora queimando. a poeira de pedras marteladas. o beijo dos porcos. a beirada de um poço. o ataque da bactéria estreptococos. a extinção das abelhas. a criança comendo insetos. o inseto comendo a criança. os suicídios. a loucura. o intenso. o tesão. o insaciável. a água quebrando barragens até chegar na coragem. até a coragem, eu posso ignorar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.