A psicologia avulsa que tanto indicam as pessoas depressivas

Vocês já perceberam a quantidade de pessoas que ao se depararem com uma pessoa depressiva imediatamente dizem:

“Você precisa procurar um psicólogo pra te ajudar sobre isso”.
“Você não pode ficar assim, tenho um psicólogo ótimo, acho que seu problema será solucionado “.
“ Está se medicando? Conheço vários calmantes que faz dormir que é uma beleza “.

Poucas são as pessoas que se preocupam de fato pra saber no íntimo o que acontece. As pessoas não se interessam. Não sentem empatia e sim uma vontade absurda de opinar sobre qualquer assunto.

Muitas das vezes precisamos mesmo de psicólogos e profissionais pra esse tipo de auxílio. Mas pera lá… os “amigos “que nem te ouvem e já te indicam uso de calmantes, como se dormir fosse solucionar o problema, esses amigos estão nitidamente dizendo: por favor, ou procura psicólogo toma calmante e dorme ou cala a boca porque não tenho tempo.

E a falta de tempo, a falta de conversa, de diálogo, de atenção, mesmo frequentando um psicólogo, eu posso te afirmar que; não adianta absolutamente nada.

Eu queria deixar aqui que se você tem amigos, pessoas, que não se interessam por você, que não estão empáticas com sua situação atual, te digo;

Vá ao psicólogo sim. Exponha o que ACHAR QUE DEVE*, e também comece dentro de você a abdicar dessas pessoas que não dialogam com você. Essas pessoas indiferentes.

Porque a indiferença pra essa situação, fere. E o caminho pode ser trágico.

Recentemente uma jovem no facebook chamada Carolina digitou um pequeno texto dizendo que sua família não dava atenção ao problema de depressão e as suas inclinações suicidas. E como resposta desse drama um de seus familiares pediu pra que ela tomasse logo vários medicamentos pra que parasse de encher o saco. O que aconteceu com essa jovem? Vocês acham que uma jovem se mata apenas pra chamar atenção? Ou porque não aguenta mais o peso da indiferença dessas pessoas que ficam o tempo inteiro sendo fiscal de emoções com frases feitas de: “ vai ao psicólogo, vai se tratar “, ao invés de ser um pouco H U M A N O e abraçar um pouco essa pessoa em todos os sentidos possíveis?

A história de Carolina me marcou. Eu fiquei pensando sobre todas as pessoas que estão ao meu redor e que não mereceriam chorar em cima do meu túmulo caso eu chegasse a este ponto. Pensei nas probabilidades de vida fora da caixinha, fora da bolha que me cerca junto dessas pessoas.

O primeiro passo pra sua saúde mental é saber quem no seu auge de crise te ouve, e quem te escuta.

Parece besteira. Mas ouvir e diferente de escutar nessa circunstância. Ouvir precede de dar atenção, percepção, e mais… ATENÇÃO .

Escutar pode ser o acaso…

” por acaso você escutou o som do mar? Não. Ok tudo bem”. E pronto. Passa!

Perceba! Ouça o som desses amigos, dessas pessoas, de seus familiares. Se você não conseguir ouvir algo de bom, de proveitoso, ai sim, isso será pauta principal de suas consultas ao psicólogo.

A pauta será: As pessoas que te ferem . E não somente o seu ferimento .

Ilustração via Google- autor desconhecido