Amor

Palavra de quatro letras. Tão diversa, tão poética. Complicada acima de tudo. Não existe uma verdadeira definição. Cada indivíduo carrega um significado pra ti.

É um sentimento bom. Não é ruim como muitos falam: isso se chama possessividade, ciúmes, violencia. Não é amor, é doença.

Amor é um estado de espírito. Emprega na alma e no corpo.

Ele te faz ver o melhor de outra pessoa, mesmo que ela mesma não enxergue isso.

Amor não é aceitar tudo, ou não aceitar tudo. É compreender, conversar e resolver.

Nada é mais complicado do que amar.

Eu amo de um jeito, você ama de outro. Ele ama de outro, ela ama de uma forma mais esquisita ainda, e ele nem sequer sabe o que é amor.

É difícil encontrar uma maneira que seja recíproca e que haja respeito de duas partes. Se encontrar, ame mais.

Mas primeiro, se ame.

Amor próprio é tudo! Do que adianta você entregar seu ser para outra pessoa e nada obter de volta?

Amor não vê etnia, gênero ou classe social. Amor é comunista ou anarquista.

São várias fases até amar. São várias tentativas falhas de achar. As vezes, a gente só acha em si, outras achamos em outras pessoas.

Cada um ama da maneira que pode.

Começa paixão, intermedia o amor, finaliza com a saudade.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.