Tainá, a galáxia que não deveria existir, e O DEUS DESCONHECIDO

Acordei em uma manhã comum de sexta-feira, e como de costume fui checar meu Instagram. Acabei dando de cara com um meme curioso que dizia: “Hoje eu acordei só a Tainá, a galáxia que não deveria existir, mas que existe”. 
Todos os dias eu acordo Thainá. Mas, curiosamente, nesse dia eu acordei sendo uma galáxia! Cresci sabendo que Tainá é um nome de origem Tupi, que significa estrela, mas foi uma surpresa descobrir que existe toda uma galáxia com o meu nome. Animada com a ideia, já que nunca encontro meu nome nem nas garrafinhas de coca-cola, fui pesquisar as fontes para ver se a história era real. Encontrei o link da matéria no site da agência FAPESP
 Tainá é uma galáxia recém descoberta, a mais distante jamais conhecida. Segundo a matéria: “a análise de sua luz revelou uma galáxia muito jovem e maciça, compacta e repleta de estrelas gigantes azuladas”. Essa ideia coloca em questão algo na teoria que estabelece o modelo atual da evolução do Universo. Uma galáxia assim não deveria existir, mas ela existe, contra todas as expectativas. 
 A única possibilidade para a existência de Tainá logo após o Big Bang, seria se a quantidade de matéria escura fosse maior do que eles acreditam, já que uma quantidade maior de matéria escura aceleraria o processo de formação de galáxias. Existem várias teorias que tentam explicar o que seria a matéria escura, podemos tentar entender como a substancia da qual seria formada quase 80% da massa do universo. Segundo eles , só é possível saber a existência da matéria escura devido à ação gravitacional que ela exerce sobre as galáxias. Sem a matéria escura o universo talvez não existisse. O único problema, é que essa tal matéria escura, tem esse nome exatamente porque não é possível enxergá-la e sua substância ainda é desconhecida. 
 A minha reflexão aqui não tem nada a ver com cosmologia, já que sou completamente leiga no assunto. Tudo o que citei são informações vindas da fonte já mencionada aqui. Mas me atrevo a refletir sobre o fato de que uma galáxia colocou em questão uma teoria científica até então creditada como verdade. O que nos faz lembrar que apesar de todos os dados científicos e medições, no fim das contas teorias são apenas teorias e também é necessário muita fé para acreditar em cada uma delas. 
 Enquanto lia a história de Tainá, e toda a especulação sobre a matéria escura que sustenta o universo, me veio a mente a história de Paulo pregando aos homens Atenienses no Areópago a respeito do altar feito AO DEUS DESCONHECIDO, ao qual eles honravam sem saber de fato quem era.

“O Deus que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens;
Nem tampouco é servido por mãos de homens, como que necessitando de alguma coisa; pois ele mesmo é quem dá a todos a vida, e a respiração, e todas as coisas;
E de um só sangue fez toda a geração dos homens, para habitar sobre toda a face da terra, determinando os tempos já dantes ordenados, e os limites da sua habitação;
 Para que buscassem ao Senhor, se porventura, tateando, o pudessem achar; ainda que não está longe de cada um de nós;
Porque nele vivemos, e nos movemos, e existimos (…)”
Atos 17:24–28

Não é novidade que os céus proclamam a glória de Deus, isso já estava dito há muito tempo lá no livro de salmos. O apóstolo Paulo, no livro de Romanos diz que por meio das coisas criadas é possível ver claramente os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e a sua natureza divina. No evangelho de João, capítulo 1, se referindo a Jesus, João diz que “Todas as coisas foram feitas por Ele, e sem Ele, nada do que foi feito se fez. Nele estava a vida e a vida era a luz dos homens.” 
 Tainá me fez refletir logo pela manhã, que é muito bom saber que existe um Deus relacional, que refletiu seu poder e majestade em toda a criação, de modo que não podemos dizer que Ele não pode ser encontrado. Mesmo que a gente vá tateando devagarinho, por meio da ciência ou da filosofia, acabamos sempre esbarrando nEle. Deus não é mais desconhecido, Ele foi revelado na figura de Jesus Cristo, que sustenta nEle mesmo todas as coisas e em quem está a própria vida e o sentido dela.