Com o normcore, o básico está na moda

[08/07/14]

foto: divulgação

A moda tem dessas surpresas: você acha que não liga para se vestir bem e que a roupa deve ser funcional e confortável. Então você acaba de voltar da padaria e descobre que, com a roupa que veste, você é adepto do normcore. Ser básico e não aparecer é o novo preto.

O termo, criado pela agência norte-americana K-Hole, tem sido entendido como uma referência aos despojados anos 1990, com ícones como Steve Jobs, Larry David, Jerry Seinfeld e Barack Obama, com estilo básico com moletons, calça jeans e tênis esportivo. De acordo com a K-Hole, normcore é mais sobre empatia e adaptação, que tem a ver com o encontrar-se em tal estilo. A essência do normcore é não se sentir especial.

obama. foto: divulgação

Segundo o stylist Mateus Andrade, o termo normcore tem menos a ver com normalizar tal estilo e mais com “fazer você sumir”. “Antigamente, por volta da década de 1970 e 1980, só iam a desfiles de moda quem já trabalhava com isso, que iam de preto, minimalistas, com roupas de estilistas japoneses, etc. Nos últimos anos, com a internet, o que aconteceu é que surgiu o street style e blogs sobre isso. Então as pessoas chegavam nas portas dos desfiles completamente montadas, às vezes só para serem fotografadas e sair em algum blog ou revista de street syle”. O normcore surge, então, como uma resposta a essa onda de se montar e ser visto. “Claro que há pessoas que fazem normcore usando tênis da Dior, uma alfaiataria refinada, e por aí vai”, aponta Mateus.

Outra teoria para que o normcore tenha ganhado visibilidade é ele ser uma resposta à onda hispter. A palavra, que surgiu para descrever amantes de jazz dos anos 1940, e todos os movimentos alternativos/indie do pós-guerra, como o beatnik, hippie, punk, post-punk e grunge, o hipster buscou tão constantemente uma autenticidade em oposição ao mainstream, que gerou um certo cansaço. Nisto reside a sentido desta moda anti-moda: aparecer na multidão não é mais pré-requisito para se ser.


*matéria publicada no suplemento Revista da Folha, da Folha de Pernambuco

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Thaís Cavalcanti’s story.