Para não envelhecer o cuidado de si

[26/02/14]

Cuidar-se: quantas vezes não esquecemos deste verbo na conjugação reflexiva? Alguns cuidados da pele podem parecer uma futilidade estética, mas nos ajudam a estar mais saudáveis. É o caso do tratamento de uma pele não envelhecida. Para o dermatologista Emmanuel França, a pele conservada é uma barreira de proteção mais forte contra invasores, além de representar a expressão física do nosso Eu: “Funcionalmente a importância imunológica dela é extrema. Uma boa saúde mental, corporal e social passará por uma pele saudável, bonita e expressiva”.

A pele conservada não depende somente da idade cronológica da pessoa, como das condições às quais foi submetida durante a vida. Nesse sentido, os cremes anti-idade já começam na infância, com o filtro solar — principalmente em cidades quentes como a nossa, que o cuidado deve ser redobrado devido a uma maior produção de radicais livres: “Mas o usual é o seu uso a partir dos vinte ou 25 anos”.

Para o dermatologista, é importante estimular a produção de colágeno (proteína responsável pela elasticidade), evitar o dano de fibras elásticas e ter um funcionamento celular adequado. “Os cremes, portanto, devem possuir atividade estimuladora do fibroblasto — célula responsável pela produção de substâncias precursoras do colágeno, das fibras elásticas e das fibras reticulares — para produzir e proteger as fibras elásticas, como o ácido retinóico e retinol e, ter a capacidade antioxidante adequada (que evita a formação de radicais livres), como a vitamina C, por exemplo. Os produtos podem ser gel, serum, loção cremosa, etc., mas devem ter antioxidantes como princípio ativo”.

ALIMENTAÇÃO — O que comemos nos define. Recomenda-se a ingestão de vitaminas A, encontradas em frutas e vegetais amarelos e alaranjados (cenoura, manga, batatas), E (sementes, milho, azeitonas, abacates) e C (frutas cítricas e vegetais como tomate e pimentão) e alimentos como salmão, soja, feijão e azeite, ricos em ômega 3, 6 e 9.

*matéria publicada no suplemento Revista da Folha, da Folha de Pernambuco

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.