Uma cor, várias possibilidades

[06/07/14]

foto: divulgação/Glaucia Pereira

Temos a sensação que misturar cores demonstra um resultado mais criativo e vivo, além de desafiar nosso bom-senso diante da paleta de cores. No entanto, igualmente desafiador e criativo é escolher a cor preferida para criar um ambiente monocromático. Para a arquiteta Marcella Gusmão, do grupo Unio Arquitetura, a escolha pelo monocromático não é necessariamente minimalista, nem se torna entediante: “É possível criar um ambiente mais clássico, clean e minimalista a partir do preto ou branco, mas a escolha de cores mais fortes pode resultar em ambientes descontraídos”, explica.

A paleta de cores, como analisa a arquiteta, nunca se torna menos desafiadora, de modo que ela é sempre fundamental para o resultado final de um ambiente. A escolha depende do resultado final desejado, como a sensação de um ambiente mais amplo (cores claras) e a de um ambiente mais aconchegante (cores fortes). De tal modo, nem o preto e branco, cores opostas mais clássicas e portanto menos propensas ao erro, criam o mesmo efeito. “Assim como não é preciso se limitar ao preto e branco, optar pelo monocromático não significa que seja necessário usar somente um tom de uma determinada cor. Na verdade, você pode usar a mesma paleta de cores e criar um degradê monocromático, que ajuda a evitar que o ambiente fique monótono”, sugere.

O degradê também funciona como alternativa para quem quer misturar cores, mas tem dúvidas de quais cores combinam, assim como quem tem medo de errar e deixar o ambiente exagerado, já que a cor temática é percebida de forma sutil. Ambientes monocromáticos também criam interessantes pontos focais, ou seja, podem dar destaque a quadros, vasos, móveis ou outros detalhes.


Serviço

Unio Arquitetura — Contato: (81) 3126.6365

*matéria publicada no suplemento Revista da Folha, da Folha de Pernambuco