No mais, é importante que os gozadores de privilégios vejam as correntes que nos atam, vejam para muito além de um coitadismo frágil, compreendendo que elas, as correntes, só permanecem em nós, ainda que muitas vezes frouxa, porque nossas mãos não alcançam as de mais ninguém. Nossas irmãs e irmãos de dor estão igualmente semi-presos e nenhum estrangeiro ousa nos abraçar. Talvez, de todas as tergiversões que produzi aqui, uma única ideia central me orienta: massifiquemos o feminismo; os movimentos lgbtt e negro. Sejamos cada qual um militante das dores que não são nossas, mas que assistimos atravessar nossas vidas. Coadunemos. No final das contas, a singela e minimalista alteridade pode salvar nossas vidas.
As pautas identitárias e a politização da dor
Niege Pavani
31

Isso mesmo, politizar nossa vida privada e encontrar meios de lutas sem agir como um opressor. Que texto inspirador! ❤ Gratidão e prazer imenso em ler o seu texto.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Thais Claudino’s story.