It, A Coisa, uma obra prima, mas não do medo.

Aventuras, traumas infantis e amizade são o foco do filme

It-A Coisa chegou aos cinemas do mundo todo com uma expectativa alta, por ser um dos livros de maior sucesso do escritor Stephen King, além de ter ficado na memória de muitas pessoas, pelo tele filme de 1990, com Tim Curry, primeiro a interpretar Pennywise, o palhaço dançarino, que ficou famoso por sua interpretação irônica e medonha.

O filme é um nova readaptação do livro, longo, com mais de mil páginas, sendo muito difícil adaptar para telona com duração de 2h15.
 Sem cenas de morte, sangue e sustos o tempo todo, como algumas pessoas possam imaginar, o longa é sobre a história e experiências das crianças que decidem enfrentar uma ameaça desconhecida, mas que pode se transformar no seu pior pesadelo.

Bill Skarsgård faz uma ótima atuação como o palhaço dançarino Pennywise

O diretor Andy Muschetti buscou trazer experiências diversas pro filme, mesclando o terror e alivio cômico em perfeito equilíbrio. Ele manteve o que King faz muito bem no livro, que é usar crianças ainda em formação, saindo da infância e entrando na fase adulta. Tanto no livro, quanto no filme, as crianças aprendem o verdadeiro sentido da amizade, confiança, passando pela descoberta do primeiro amor, mas também descobrindo sentimentos como o medo. 
 Medos que são reais para algumas pessoas, como luto, pais negligentes, abuso sexual e bullying; dilemas que o filme usa muito bem para criarmos empatia pelos protagonistas. Esses possíveis medos são os momentos mais assustadores, sem deixar de lado a ameaça sobrenatural: o palhaço Pennywise (Bill Skarsgård), que trás para telona a versão moderna do ator Tim Curry.
 Os momentos que o palhaço mais aterroriza são com a ótima atuação de Skarsgård com seus gestos e olhares. Já os efeitos especiais são muito bem feitos, mas não são o ponto chave para aterrorizar verdadeiramente com o palhaço.
 Muschetti fez ótimas escolhas não escondendo as ações monstruosas do palhaço, já que estamos falando de um personagem que devora crianças quando elas estão aterrorizadas. 
 
 O filme é bastante violento, mas nada foi gravado gratuitamente. A maquiagem é um ponto extremamente positivo para a atuação de Skarsgård, que tem um olhar expressivo, uma risada marcante e aterrorizante. Os detalhes ajudam o personagem a se tornar o verdadeiro horror. Os gestos, maneirismos, a baba, o sangue, muitas vezes assusta mais do que suas próprias ações.

Enredo

Derry, no Maine é uma tranquila cidade, mas possui os maiores índices de sumiço de crianças do país e a cada vinte e oito anos os sumiços se tornam mais frequentes. No outono de 1957, quando crianças começaram a desaparecer, sete crianças do bairro se unem para descobrir quem é o responsável e acabar com os horrores daqueles tempos.

“O terror, que só terminaria 28 anos depois (se terminasse), começou, até onde sei ou consigo saber, com um barco feito de uma folha de jornal, flutuando por uma sarjeta cheia da água da chuva” (trecho do livro “IT, A Coisa”)

A história gira em torno de sete crianças, conhecidas como “perdedores” (juntos, formam o “clube dos perdedores”), excluídas de alguma forma, por suas personalidades distintas. O primeiro ato do filme gira em torno de cada um deles, como se conheceram e se tornaram amigos, assim como na vida real, pessoas consideradas diferentes muitas vezes são perseguidas por valentões, como Henry Bowers (Nicholas Hamilton)e seus comparsas Victor "Vic" Criss (Logan Thompson), Reginald "Arroto" Huggins (Jake Sim)e Patrick Hockstetter (Owen Teague). Podemos ver um pouco mais de perto a vida de Henry, que apresenta comportamento agressivo e violento, pouco inteligente e o mais fácil de ser manipulado por Pennywise.

Clube dos perdedores no cóvil do palhaço Pennywise

O palhaço é um monstro que consegue se transformar no maior medo das crianças (por exemplo, Pennywise se mostra pra Richie Tozier como um lobisomem) e quando elas estão paralisadas de tanto medo, ele as devora, se alimentando do medo e sofrimento de suas vítimas, divertindo-se com isso.
 As crianças ainda estão em formação, com seus 10/11 anos de idade, que se juntam para enfrentar essa ameaça que eles desconhecem. Juntos eles descobrem o que é esse monstro, responsável por tantas mortes. Confiando um no outro, na amizade forte que os une eles descem nos esgotos da cidade, para procurar Pennywise e mata-lo, tarefa que se mostra incompleta.
 Além de enfrentar o desconhecido, eles também precisam driblar os problemas da vida real e continuar sendo crianças.

“Ele soca postes de montão e insiste que vê assombração” — Bill Denbrough

Escorregadas em relação ao livro

Como ponto negativo eu posso dizer que a apresentação do palhaço para as crianças ficou estranha, já que no livro, cada criança vê o que mais assusta, Ben Hanscom ao voltar pra casa da escola, vê uma múmia saindo do bueiro. Isso não é bem retratado no filme, já que a entidade se mostra diferentes formas para cada criança. Cada um vê o seu maior medo. 
 O longa mostra como cada uma das crianças se conhece e se torna amigo, porém, falta aprofundar um pouco mais esse aspecto e não correr tanto. A relação de alguns personagens não acontece de imediato, como Ben e o resto dos meninos. A amizade entre eles acontece depois de Bowers atacar Ben, que consegue fugir pelo rio e encontra por acaso o local onde os outros estavam brincando e a amizade é construída aos poucos.

Richie Tozier (Finn Wolfhard), Eddie Kaspbrak (Jack Dylan Grazer), Ben Hanscom (Jeremy Ray Taylor) e Stan Uris (Wyatt Oleff)

Adaptar Stephen King é difícil não só pela qualidade narrativa, mas pela descrição aprofundada de cada personagem. Outra barreira a ser quebrada é a existência do telefilme, que o público conhece tão bem, principalmente Pennywise, que até hoje está na lembrança das pessoas. A produção não se prendeu ao passado e fez sua própria readaptação do livro, sem deixar o antigo influenciar suas decisões. As principais mudanças que podemos ver é a época que se passa o filme, não mais no ano de 1957 e sim na década de 80 (já a segunda parte do longo vai se passar nos tempos atuais).

Tim Curry e Bill Skarsgård

Clube dos perdedores

Bill Denbrough (Jaeden Lieberher) é o líder. Está em luto pela perda de seu irmão Georgie. Ele prometeu se vingar do palhaço e matar o responsável. Para ele, a missão de encontrar A Coisa é mais pessoal do que para seus amigos. Ele também sobre bullying por conta de sua gagueira.
Richie Tozier (Finn Wolfhard) é o melhor amigo de Bill (Big Bill. Ele tem a boca suja, fala muitos palavrões, é o alívio cômico entre as crianças. Ele também gosta de fazer diferentes vozes (interpretando diferentes personagens que ele mesmo cria).
Eddie Kaspbrak (Jack Dylan Grazer) é hipocondríaco e muito medroso, considerado um menino frágil pela sua mãe, que cria diferentes doenças para o menino. Anda com uma quantidade imensa de remédios, alguns sem necessidade. Só sente bem, em liberdade, quando está com seus amigos, que o tratam como um igual.
 ● Stanley "Stan" Uris (Wyatt Oleff) é judeu e o menino mais lógico do grupo, aficcionado por aves (está sempre andando com seu livro de aves). Ele é germofóbico e perseguido por Bowers por ser Judeu.
 ● Beverly Marsh (Sophia Lillis) a única garota do grupo, que tem uma forte ligação de amor e carinho com Ben Hanscom e se apaixona por Bill Benbrough. Ela é forte, cheia de personalidade, moleca e com uma força interior impressionante. Ela foi a primeira a conseguir machucar Pennywise.
 ● Mike Hanlon (Chosen Jacobs)o último a se juntar ao "clube dos perdedores", se tornou o historiador do grupo por ser autoditada em história, e conta aos amigos os acontecimentos anteriores em Derry. Teve seu cachorro morto por Henry e é constantemente perseguido por ele por ser negro.
 ● Ben Hanscon (Jeremy Ray Taylor)tem o maior coração do grupo, é muito criativo e inteligente e sofre nas mãos de Henry por ser recém-chegado na cidade e também por estar muito acima de seu peso, mas sua mãe costuma dizer que é porque ele tem ossos grandes.

Bill e Beverly descobrem juntos o primeiro amor

Henry Bowers

Ele é um dos personagens mais complexos do livro. Seu pai é um homem autoritário e mentalmente doente, foi um ex-marinheiro e ficou louco depois de ter voltado pra casa após ter voltado da guerra. Butch Bowers era um homem extremamente violento e racista, o que tornou seu filho um reflexo de si mesmo. Henry tem um profundo ódio por Mike Hanlon, somente pelo garoto ser negro, tornando seu alvo favorito. Sua raiva é tão grande, que ele mata o cachorro de Mike e também seu pai, sem carregar remorso algum. Por ter uma mente recheada de ódio, Pennywise consegue facilmente usar sua influência maligna, virando a principal arma do palhaço, contra o clube dos perdedores. Que se torna uma das peças fundamentais do livro.
 No filme, ele não é mostrado dessa forma, o que enfraquece o personagem, pois ele ao longo das páginas ele vai se transformando em um verdadeiro psicopata, e essa transformação não é de uma hora pra outra. Ele também tem visões de seus amigos que morreram, tornando-se mais louco ainda.

Henry Bowers é um dos garotos mais perversos da história

Segunda parte

No filme, conhecemos a primeira parte da história, já no segundo, saberemos o que aconteceu com cada um do "clube dos perdedores", que após a ligação de Mike, voltam a cidade que prometeram proteger quando enfrentaram a coisa pela primeira vez. Juntos pela última vez, eles precisam reunir forçar e retomarem a amizade para poder finalmente matar a coisa, já que são os únicos que sabem o que se esconde nos esgotos de Derry. 
 Nessa segunda fase, as crianças, agora adultos, por influência do Pennywise, não lembram de nada do que aconteceu e como aconteceu. O que eles precisam fazer, é um resgate dos sentimentos de quando eram crianças para poder enfrentar o monstro e vence-lo e dessa vez, o palhaço conhece o sentimento que ele infligiu a muitas crianças, o MEDO por se descobrir mortal.

Qualidades do livro

A narrativa do livro é feita em dois momentos, sem seguir uma ordem cronológica, o grupo criança e depois adulto. As experiências e os traumas vividos na infância são muito bem levados para a vida adulta de cada um deles. Em alguns momentos do livro, sabemos o que acontece com alguns personagens no futuro, mas em outro estamos acompanhando suas vidas enquanto são crianças.
 A escrita de King é muito detalhada e mesmo não o livro não tendo imagens, a imaginação faz todo trabalho e a mente consegue vislumbrar corpos, muito sangue, assassinatos, cenas que facilmente não estariam na tela do cinema. 
 Stephen explica brevemente a origem do Pennywise, ele é o puro medo e tão antigo quanto a terra, chegou através de um meteoro, de certa forma, ele é a cidade de Derry. Ele a moldou a seu redor para servir aos seus propósitos. Não é algo fácil de se entender, pois o livro contém um pouco de metafísica. É difícil saber o que é A Coisa realmente, daí o nome, Coisa, algo que não pode ser entendido de verdadeiramente. E ele gosta de crianças já que elas são muito inocentes. Em um dia, estão brincando de armas e no outro entrando no esgoto da cidade para enfrentar o mal.

“Mas uma estaca é apenas madeira idiota; a mente que a enfia no lugar certo”
Like what you read? Give Thaís Duran a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.