Encontrinho

Não se sabe se foi milagre ou fim dos tempos, mas ela estava solteira. Ninguém se atreve a dizer em quanto tempo aquele cara, que é “diferente” e que faz ela se sentir como nenhum outro homem jamais fez, apareceria. Era a oportunidade perfeita para aquele encontrinho de migas, em que todas fumam maconha e ficam bêbadas de vinho falando dos tais crush como se tivessem 15 anos. Algumas vezes, a coisa fica tão séria que rola até sessão de Mean Girls.

Voltando do banheiro, passou e viu que no celular ela escrevia para um tal de Thi: “Ai, tá muito chato aqui”.
- Chato? Só um pouco, Maria Clara! Você vem aqui, come todas as minhas Oreo, bebe do meu vinho, fuma um monte e vai falar pra esse boy que tá CHATO aqui?
Ela até que é calminha, mas ser chamada de Maria Clara já era demais. 
- Ok, então, da próxima vez, faz uma comanda pra marcar tudo que a gente consome aqui, pode ser? Ridícula!

Entre acusações de sumiço, falta de atenção e até de roubar o pacote de Fofura da outra na oitava série, a situação entre as migas tava ficando tensa.
- Tu quer saber, Bel? Eu peguei o Edu, teu namorado!
- E eu peguei você.
- Que? Hahaha, claro, no teu sonho.
- Lembra aquele dia que a galera veio aqui pra casa, bebemos vinho, você começou a se sentir mal e eu te coloquei pra dormir ali na minha cama? Pois é. Eu coloquei coisa na sua bebida e falei pro Edu ir pra casa, porque eu ia cuidar de você e tal. Eu fiz sexo com você usando a minha cinta-pau, sabe? Aquela que uso pra comer o Edu. 
- Mano, você é louca. Pelo menos usou camisinha?
- Ahmm, não. Mas tá sussa, eu lavei com álcool gel. Não, na realidade lavei com detergente. Tive que parar com o álcool gel, porque como o pau é de borracha, pode acabar ressecando o material e foi mó cara aquela cinta. 
- Cara, se tu queria me fazer rir, conseguiu. Parabéns! Agora, vai pro Zorra com essa bosta de piada.
- E foi gostoso.

O que parecia uma brincadeira já estava tomando forma na imaginação da menina.Lembrou da história que seu amigo contou de um indiano que toda manhã acordava com dor no cu e nunca entendia o motivo. Foi ao médico e descobriu que estava sendo dopado e estuprado pelos colegas de quarto durante a noite, ou seja, isso também pode ter acontecido com ela. Mas com um pinto de borracha. Menos mal. “Menos mal? Isso é loucura. Tu vai insistir nessa mentira, Bel?”

- Você ainda não entendeu, né? Eu sou sapatão e eu sou apaixonada por você! Alooouuuuuuu.
- Mas tu me estuprou, cara! 
- Foi mal, mas foi a forma que encontrei de expressar meu amor sem ser muito invasiva. Haha…
- Tu tá rindo? Eu tô indo pra polícia!
- Beleza, mas rapidinho: quer namorar comigo?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.