esse é sobre os momentos que poderiam ser infinitos (mas não são)

“eu espero que esse momento não acabe” eu digo, enquanto seguro sua mão suada no banco de trás do carro.

“mas vai acabar, você sabe” você responde, com a voz mais tranquila que já escutei. “assim que chegarmos no nosso destino, vou ter que soltar da sua mão e aí já não vai ser apenas eu e você”

“para mim sempre vai ser eu e você” penso, enquanto meus olhos focam nos seus e esquecem de tudo que está ao redor. esquecem até da linda paisagem pela qual estamos passando. você olha para um prédio e diz ser lindo, enquanto eu só penso que nenhuma obra de arquitetura jamais vai ser tão linda quanto a vista que estou tendo -você sabe de qual vista estou falando-. passamos pelos meus monumentos favoritos de minha cidade favorita e penso em como nenhum deles são tão grandiosos quanto eu e você.

eu e você.

“para mim sempre vai ser eu e você” penso, enquanto, no meio de uma multidão, você é o que mais chama a minha atenção. logo você, com esse cabelo bagunçado de quem não liga para nada e suas roupas pretas que te caem tão bem. logo você, que nem se esforça para ser tão tudo. e enquanto me pego pensando em como sou boba por pensar que pode ser eu e você para sempre, você pega na minha mão, assim, sem dizer nada, do nada, como quem não quer nada.

você pega na minha mão e é como se cada partícula do seu corpo tocasse cada partícula do meu.

você se aproxima e é como se não existisse mais futuro, como se a única coisa que importasse é o presente, e no presente, você está comigo e eu estou com você.

duas mãos se tocando. parece algo tão simples, não? acontece que eu sempre tive tendências a exagerar nas coisas que envolvem eu e você (portanto, exagero em tudo). exagero em minhas paranoias ao achar errado o fato de você não sentir tudo na mesma intensidade que eu e exagero ao me pegar em mais uma de minhas crises por saudades ou por falta de atenção. exagero ao acreditar que o mundo vai acabar quando jogo fora um segundo sequer ao seu lado e exagero quando faço do seu olhar o maior motivo do meu sorriso (que também é exagerado).

“é, acho que sou exagerada” confirmo enquanto me derreto com mais de um de nossos momentos finitos. 
sabe como todo mundo tem um ponto fraco?
acho que você é o meu.

[você é o meu exagero]

“eu espero que esse momento não acabe” digo novamente, dessa vez para mim mesma.

“por enquanto, ele existe para sempre” teu sorriso me responde, mesmo sem falar nada.

é, você sempre soube como me tranquilizar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.