(Se)r

Se não fosse pelo seu jeito frio de ser
Ou pela falta do sentir
Se não fosse pelos seus olhos tão pesados
Que se desviam ao menor sinal de que estão sendo observados

Se não fosse pelas suas analogias
Ou pelo tom de ironia
Ou pelos contos metidos a filosofia
Ou pelo uso de café exagerado
Ou pelo seu toque gelado
Que mesmo assim faz-me suar
Como se não houvesse mais ar disponível
Para respirar

Se não fosse pelas suas mãos firmes
Em volta de meu corpo trêmulo e arrepiado
Que, sem que você perceba
Já está viciado
Viciado nos lábios com gosto de café
E nos ritmos em que se movimenta
E viciado na forma como alimenta
Todos os meus pensamentos
Que até de noite me atormentam

Se não fosse pela forma como conta histórias
E analisa suas próprias analogias
Acerca de sua falta de sentir
E pela tão dita forma fria de agir
Que, desde cedo, me fez cair
Em meus joelhos

Se não fosse pelo seu olhar
Que, nos momentos em que não se desviou
(Quase) me conquistou
Ou pela forma como me entregou
As melhores risadas de segundas
E de quartas

Se não fosse pelos seus infinitos monólogos
Sobre a loucura que desejava ter
E sobre o fato de não querer
Ou não conseguir querer
Um prazer
Uma paixão
Ou talvez
Abrir a merda do seu coração.

Mas que seja
Chega de te culpar
Quando, na verdade
Se não fosse por mim
E pela minha mania de sentir
Sentir tanto até sufocar
A mim mesma
E a quem tento me aproximar

Se não fosse pela forma como me entreguei
Desde o primeiro dia
Aos seus braços firmes
Que só se atreviam a tremer sobre meu corpo fora da luz do dia
Se não fosse pela minha previsibilidade
Ao contrário de ti, que nunca quis tanta responsabilidade

Se não fosse pelos meus olhares famintos
Que reparam em todos seus movimentos
E que são endereçados a todos detalhes de seu rosto
Se não fosse pelo meu sentir ilimitado
Ou por meu beijo desesperado
Se não fosse pela minha forma de pensar acelerada
E pelo sofrer antecipado

Se não fosse pela minha mania de me importar
Tão contrária a tua
Ou pelo medo de falar
E de improvisar
E até mesmo de escrever
Sobre tudo aquilo que me faz sentir

Se não fosse por mim
E apenas por mim
E pela forma como eu deixo tudo tão
Conturbado
Desorganizado
Inacabado

Se não fosse por mim
Talvez
A gente poderia
Ser.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Thais Oliveira’s story.