Vocês não farão nada sobre isso

A cada 11 minutos, uma pessoa é estuprada no Brasil. Pessoa, homem ou mulher, ou criança, ou idoso. Enquanto as vítimas sofrem, os outros sentem-se à vontade para questionar a moralidade das mesmas, ou a roupa, ou a sobriedade. Ou se orgulhar dizendo que sua filha não se sujeitaria à essa situação (mas, talvez ela passe e você nem saiba porque ela tem medo de te dizer). A cultura do estupro está tão arraigada em seus cérebros que um caso de assédio é tratado como rotineiro. E vocês não farão nada sobre isso.

A cada dia, 14 mil crianças morrem no continente africano. Catorze mil crianças. A cada 6, uma morre antes de completar 5 anos de idade. Enquanto você tomava sorvete todos os dias com seu avô, ou chorava porque não ganhou a Barbie Amazonas, uma criança expirava pela última vez num cenário caótico. E vocês não farão nada sobre isso.

Desde o início da guerra da Síria, 400 mil pessoas foram mortas e 5 milhões fugiram de seu país natal para tentar viver em paz. Enquanto você esbraveja com seus filhos porque quebraram o controle da TV 4K, famílias inteiras lutam pela sobrevivência enquanto embarcam seus filhos em botes para atravessar o mediterrâneo, sujeitos a um naufrágio. Apesar dos esforços da ONU, os refugiados seguem com a contrariedade dos países para recebê-los e sofrendo diversas violências, e vocês não farão nada sobre isso.

Enquanto o mundo se orgulha em bravar Peace and Love, a homofobia faz uma vítima a cada 25 horas. Enquanto pessoas se enganam dizendo “não sou preconceituoso(a), mas…”, uma pessoa é morta por amar alguém do mesmo sexo. Apenas amar alguém do outro sexo. Enquanto você sofre por um amor platônico pelo Edward Cullen, um ser humano é morto por explicitar sua atração por outro ser humano. E vocês não farão nada sobre isso.

Isso sem contar o aumento da poluição nos mares, a diminuição das espécies, o aumento de homicídios motivados por dinheiro, a corrupção.

Mas tá tudo bem pensar que sua filha não se sujeita à imoralidade, ou chorar pela Barbie Amazonas, oubrigar por quebrarem o controle da TV, ou sofrer pelo Cullen. Só você sabe o peso dos seus problemas. Porém, por favor, faça alguma coisa pelo mundo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.