Acessibilidade não é uma funcionalidade

Talvez você e sua empresa já estejam pensando e se movimentando para “deixar seus produtos acessíveis”, isso é ótimo, mas o problema aqui é tratar a acessibilidade como uma funcionalidade, um bônus, um a mais, quando na verdade ela é algo inerente ao produto.

Criar um produto e depois colocar um botão de acessibilidade ou criar uma nova versão desse produto para ser acessível é apenas uma solução paliativa, não resolve o problema.

Não pensar em acessibilidade logo no início de um projeto é pensar que você vai atingir um público maior primeiro e depois (se tiver tempo) vai resolver aquilo para o outro público que tem necessidades especiais.

Dois problemas com relação a esse tipo de pensamento: um é achar que o publico deficinte é pequeno, já que, só no Brasil ele chega ao número de 45 milhões de pessoas, o outro é achar que boas práticas de acessibilidade só servem para quem tem algum tipo de deficiencia.

Quando alguém quebra um braço, está em um lugar barulhento, ou dirigindo, nessas situações um ou mais de seus sentidos e movimentos estão restringidos e opções de legendas no video, navegação por teclado e navegação por voz, ajudariam muito em melhorar a experiência do usuário

Diretrizes de acessibilidade melhoram a usabilidade de todos os usuários. Com ou sem necessidades especiais, e implementar essas diretrizes com eficiência não exige uma nova funcionalidade, implementação, aplicação, por que essas diretrizes nada mais são do que boas práticas de design e código.

Então pense em acessibilidade como um controle de qualidade, que por isso deve estar desde o começo do desenvolvimento de um produto, não como um bônus.

Like what you read? Give Thalita Caetano a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.