em rascunhos

vim aqui te pedir perdão. faz muito tempo eu quero te pedir perdão.

porque no total da minha fraqueza; na minha pequena ideia existencial eu fui embora. eu fui, não podia suportar o fato de te ver feliz e não me sentir responsável por isso.

foi ciúme, foi egoísmo. eu devia ter ficado, porque hoje eu só queria te dizer qualquer coisa sobre o meu dia, ainda romantizando a fantasia de que você, apenas você, entenderia a minha disfarçada complexidade emocional; a minha mensagem que eu digo ser pro mundo, mas que é pra você. eu torço pra que você cate essas migalhas que eu deixo no caminho, em troca dessa falsa e corrompida conexão.

acabou; eu ainda não quero aceitar.

pelo menos eu sei que fiz uma escolha: em nome de um orgulho ferido, 
que rala no asfalto quando percebe a sua felicidade. sem mim.

eu me privei sim, sabemos. na tentativa de te fazer sofrer. 
eu precisava que você sofresse;

eu já estava sofrendo há tanto tempo!

não vejo mais nenhum daqueles sorrisos que eu sempre 
jurei conhecer de cor – e ainda juro.

não embalo, não cheiro, não transpiro ao te abraçar.

ignorar tudo até apagar. até sumir, magicamente, como veio.

e então recompor, reerguer a muralha de obstáculos, 
com medo de ver ir embora qualquer felicidade.

que medíocre de mim,

perdão.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Thalita Teglas’s story.