Hoje eu resolvi se grata por umas coisas tão pequenas, mas juntas anularam todos os meus grandes problemas e aliviaram minhas crises. Do tipo, agradecer por estar sol e um clima favorável pra ir até o trabalho andando, ou beber água fresquinha depois de estar com muita sede, ou poder comer pizza, enquanto existem pessoas que não podem comer nada. Ser grata pelas oportunidades e pela sabedoria (que certamente, não vem da gente) de abraçá-las. Grata por tudo aquilo que um dia eu pedi e hoje eu tenho, grata por ser alguém e por ter alguens que me ajudam a ser um alguém melhor todos os dias.

A vida não é um mar de rosas. Nunca foi. Mas a única opção além de não viver é morrer e morrer as vezes parece muito chato. Morrer não tem festas, não tem amigos, não tem pizza. Não tem problemas também, mas com isso, não tem aventuras e histórias para contar.

Morrer não tem evolução, aprendizado, morrer é o ponto final e eu não tenho dado valor nas virgulas, nos parágrafos e em toda essa leitura que não faz sentido, mas um dia fará.

Eu não entendo o história, mas me sinto grata por ao menos conseguir lê-la.

A interpretação a gente deixa para depois.