Brainstorm sempre, e sobre tudo

Antes: escrever no celular oferece muito mais meios de editar o texto ou eu que nunca me dei o trabalho de procurar no computador?

Vou fazer uma citação:

“Viva a carreta furacão.” Eu. 2016.

E agora vou colocar uma imagem, porque no computador nunca vi essa possibilidade:

Agora, vamos ao texto:

Comecei a fazer um curso que queria muito. Ele exige bastante dedicação e estudo. Começou há 20 dias e eu estou animada. Ok.

Agora vou usar pontinhos:


Antes de começar o curso, quis me preparar, tipo organizar a minha vida, o meu armário de coisas e até de roupas para ter espaço para o material e para saber se tinha roupa decente o suficiente para ir às aulas. Ok.

Uma pauta muito importante no meu processo de organização para o curso foi as redes sociais. Eu fico/FICAVA um bom tempo vendo foto no instagram. E vendo baboseira no face. E o tempo voa mexxxxmo. E tem toda aquela vibe de você ficar tristinha vendo gente ser feliz, etc e tal.

Enfim, marquei uma reunião comigo mesma e pontualmente estava lá eu em frente a mim e, realmente, eu e moi même concluímos que isso de rede social tinha que acabar, que eu não ia perder meu tempo, que deveria dedicar ao estudo para o meu querido curso, me distraindo em rede social. Mas eu tinha muito medo de não cumprir com disciplina a regra de não acesso ou de redução de acesso às redes sociais.

Quanto ao face, eu adoro, me sinto bem, já o configurei todo para ficar bem ao meu gosto e eu adoro. E não stalkeio pelo face porque já criei tantas teorias conspiratórias sobre o quanto o facebook fuça a nossa vida que eu prefiro nem ficar mexendo muito em coisas e pessoas por lá.

O grande problema era o instagram. Eu ficava sabendo da vida de todo mundo pelo instagram. E isso tinha que acabar. E na minha reunião eu tive a seguinte e brilhante idéia:

Eu peguei um papel em branco e escrevi o nome de TODAS as pessoas de quem eu já tinha fuçado o instagram, de quem eu já digitei o nome na busca, ou de quem eu sempre caia no perfil a partir de fotos alheias. TODAS: famosas, subcelebridades, musas fitness, amigos, amigos dos amigos, conhecidos, crushes, peguetes, ex-peguetes, famosinhas da cidade, artistas locais. Sem pudor. Gente que eu não conheço, gente que não me conhece, gente que não sabe que eu conheço, gente com quem eu já me desentendi, gente de quem eu não curto foto, gente que eu deixei de seguir, gente, gente, gente.

Tem um garoto que eu devia seguir diariamente há um ou quase dois anos, todos os dias. Ele é um colíriooooo. Mas eu já percebi que ele é realmente um otário, com as meninas, com os amigos. Um fanfarrão tira onda. Só que eu não conseguia deixar de entrar nas fotos dele, era um vício, ele é lindo e coloca fotos lindas, e às vezes ele é engraçado. Mas ele é muito prego quando quer. Enfim, eu queria muito parar de me interessar pelo instagram dele.

Voltando ao papel: o objetivo era escrever o nome de gente que, de alguma forma, era relevante para mim porque simplesmente eu visitei o perfil uma ou mais vezes e que estavam na minha memória a ponto de escrever o nome delas no papel.

Muitas pessoas a gente acha que são desimportantes para nós, mas elas ficam na nossa memória, elas ocupam o nosso HD mental. Escrevi, escrevi, escrevi todos os nomes. Acho que deu qualquer coisa entre 150 e 200 pessoas.

MEODEOS eu fuço com certa regularidade o perfil de algo entre 150 a 200 pessoas???É CLARO QUE EU PERCO TEMPO, É CLARO QUE O TEMPO VOA!!!

De pouco em pouco, todo dia, não nos damos conta de quanta junkie a gente coloca na cabeça.

Terminei o brainstorm envergonhada por ter ESCRITO o nome de algumas pessoas idiotas, mas no fundo eu estava admitindo que EU ME IMPORTO E FUÇO A VIDA DELAS. E terminei também LEVE, ESVAZIADA. Parece que livrei um bom espaço do meu HD mental.

E faz 20 dias que não fuço o insta dessas pessoas. Confesso que vou lá no feed de perfis abertos do instagram e entro em um ou outro, de pessoas aleatórias. E apenas concluo que elas são iguais às que estão na minha lista/diarréia-social.

Ah, o papel com a lista: coloquei dentro de uma gaveta para quando passar um tempo eu voltar a ler os nomes e rir. Não sei quando. Um dia.

Deixo então a dica dos brainstorms, daqueles sem pudor mesmo: escreva tudo sobre certo tema, ou sem tema algum. Palavras, frases, esvazie a mente. Isso faz um bem danado, organiza a vida, libera espaço.

Agora estou alegre, ocupada com o curso. Certamente coloquei o instagram no seu devido lugar e com o devido tempo por dia na minha vida. E com ele estão todas as pessoas da lista, com quem eu nem convivo. Porque as pessoas com quem eu convivo estão fazendo os cursos que eu faço, querendo as coisas que eu quero, pensando como eu penso.

Engraçado como a gente se engana em relação a convívio, amizade, presença e importância que damos às pessoas por causa das redes sociais. Vamos organizar isso aí.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.