29 de abril: dia de luta, dia sem glória

Após um ano do ataque sofrido pelos servidores do Paraná, a educação ainda não apresenta avanços

Repórter: Thays Cristine | Editor: Arthur Schiochet

Uma jornada protagonizada pelo governo e servidores do estado do Paraná mudou o cenário da tarde do dia 29 de abril de 2015 na Praça Nossa Senhora da Salete, localizada no Centro Cívico.

Após um período de greve dos funcionários de colégios e universidades estaduais e manifestações contra a aprovação do ‘pacotaço’ — série de medidas que tinha como objetivo resolver problemas financeiros do estado — que se intensificaram quando os manifestantes foram proibidos de acompanhar a plenária na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), o governador Beto Richa, junto ao secretário de segurança pública Fernando Franscischini e o deputado Ademar Traiano liberaram, por parte dos policiais da tropa de choque, o uso de balas de borracha, sprays de pimenta, bombas de gás lacrimogêneo e cachorros treinados para impedir que a chamada Casa do Povo fosse ocupada.

Ainda assim, em votação fechada, por 31 votos favoráveis, os deputados decidiram pela aprovação do “pacotaço”. Dentre as mudanças, estavam o corte de licenças de parte dos professores, o livre uso de recursos dos fundos estaduais, o aumento da alíquota do ICMS de mais de 90 mil produtos e mudanças no setor de previdência dos servidores. No mesmo ano, o projeto de lei foi considerado inconstitucional, mas ainda encontra-se em vigor.

A ação da polícia durou aproximadamente três horas e resultou em mais de 200 feridos. O professor de língua portuguesa Eduardo Soczek declara que a situação foi de tensão “Ver colegas apanhando, bombas e balas de borracha é uma situação degradante. Estávamos ali apenas tentando fazer com que nossos direitos não fossem retirados.” O caso, que ganhou repercussão na mídia internacional, conta com diversos processos policiais, alguns em tramitação na Vara da Justiça até hoje.

Desde aquela tarde, várias ações vêm sendo feitas para que o dia não seja esquecido. O documentário Massacre 29 de abril, por exemplo, conta com depoimentos de estudantes, professores e servidores que estiveram presente no Centro Cívico. Segundo o presidente da Associação dos Professores do Paraná (APP) Hermes Silva Leão, apesar do acontecido ter sido importante para a história da educação no Paraná, a situação não apresentou melhoras, já que, devido à Operação Quadro Negro, que apura o desvio de quase R$ 20 milhões destinados à obras de colégios estaduais, o governo não tem feito repasse às escolas e a valorização dos professores também não acontece. “Conseguimos atender a maioria das pautas propostas, no entanto, continua um quadro difícil, ainda falta uma valorização dos educadores e da educação”, ele afirma.

Dentre as poucas mudanças conquistadas pela educação paranaense desde o episódio, estão o cumprimento dos 35% de hora-atividade destinadas aos professores, a não aplicação do ajuste salarial de 2016 e um concurso público para que novos educadores, do Processo Seletivo Simplificado (PSS), possam ingressar na rede em 2017.

Para o próximo dia 29, os servidores votaram em assembleia por uma paralisação estadual. Segundo Hermes, que também é professor de educação física e pedagogo, “a ideia é fazer um dia participativo. Será um dia de luta e luto para que possamos sair fortalecidos e fazer com que o 29 de abril não seja esquecido.” As atividades serão na Praça Nossa Senhora da Salete e o dia contará com marcha e aula de cidadania, além da apresentação da banda Detonautas.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.